Brasil faz sua melhor campanha em mundiais de atletismo paralímpico

A equipe brasileira garantiu a segunda posição no quadro geral de medalhas, a sua melhor campanha em uma edição do evento

Vinícius Rodrigues foi bronze na prova nos 100 metros, classe T63Vinícius Rodrigues foi bronze na prova nos 100 metros, classe T63 - Foto: Ale Cabral/CPB/Divulgação

O Mundial de Atletismo Paralímpico realizado no Dubai Club for People of Determination, em Dubai (Emirados Árabes Unidos), chegou ao final nesta sexta (15). E o Brasil teve uma participação de destaque, garantindo a segunda posição no quadro geral de medalhas, a sua melhor campanha em uma edição do evento.

Com as duas medalhas de bronze garantidas nesta sexta, a delegação brasileira (formada por 43 atletas) conseguiu o total de 39 medalhas (14 ouros, 9 pratas e 16 bronzes), atrás apenas do time da China, com 59 conquistas (25 ouros, 23 pratas e 11 bronzes).

A melhor campanha do Brasil até então tinha sido em Lyon (França) em 2013, oportunidade na qual terminou na terceira posição da classificação, com o total de 40 medalhas (16 ouros, 10 pratas e 14 bronzes).

Leia também:
Dia do atleta paralímpico a comemorar em grande estilo
Claudiney Batista é ouro no Mundial de Atletismo Paralímpico


Bronzes no último dia

No último dia de competições do evento o Brasil conseguiu dois bronzes. A primeira medalha veio com Adriano de Sousa. Ele conseguiu um bronze na prova de 100 metros, classe RR3, ao completar o percurso em 18s25. O ouro ficou com o britânico Gavin Drysdale, com 16s72, e a prata com o também britânico Rafi Solaiman, com 17s38.

E a última medalha brasileira no Mundial veio na prova 100 metros, classe T63. Vinícius Rodrigues foi bronze com o tempo de 12s38. O ouro foi para o dinamarquês Daniel Wagner, com 12s32, e a prata ficou com o alemão Leon Schaeffer, com 12s34.

Veja também

Barcelona perde para o Bayern e se despede da Liga dos CampeõesFutebol

Barcelona perde para o Bayern e se despede da Liga dos Campeões

"Base não pode ser somente tapa-buraco", alerta Everton FelipeFutebol

"Base não pode ser somente tapa-buraco", alerta Everton Felipe