Brasil segue 100% no Mundial Sub-23 de vôlei feminino

Até o momento, são duas vitórias por 4x0 e uma por 4x1. Torneio testa novo formato de disputa para a modalidade

Ponteira Drussyla é uma das peças principais da equipe brasileiraPonteira Drussyla é uma das peças principais da equipe brasileira - Foto: Getty Image/FIVB

Em mais uma boa atuação, a seleção brasileira feminina sub-23 de vôlei venceu a terceira partida seguida no Mundial da categoria. Na terceira rodada do grupo B, nesta terça-feira (12), as meninas do Brasil conquistaram vitória de virada sobre o Japão por 4 sets a 1 (14/16, 15/13, 15/11, 17/15 e 15/10), em 1h26 de duelo no Sportna Dvorana Tivolo Hall, em Liubliana (ESL).

No primeiro confronto contra uma equipe asiática na temporada, o bloqueio brasileiro fez toda a diferença, sendo responsável por 18 pontos no jogo. O baixo número de erros também contribuiu para o resultado positivo que manteve o Brasil invicto. A ponteira Drussyla foi o destaque do time nacional com 12 pontos. O treinador brasileiro, Wagner Copini, o Wagão, sabia que enfrentar as japonesas não seria uma tarefa simples.

“Jogar contra a escola asiática é sempre complicado, e o Japão é o campeão asiático da categoria. Esse confronto exigiu muito da nossa concentração, pois é um time muito consciente taticamente e com jogadoras muito técnicas. Foi importante para o nosso amadurecimento, as meninas souberam ter paciência e superar as dificuldades. O placar demonstra como foi um duelo muito equilibrado. O nosso bloqueio teve um desempenho muito bom, mas eu sou exigente com o bloqueio e acho que poderíamos ter feito ainda mais”, avaliou Wagão.

O próximo jogo do Brasil será nesta quinta-feira (14), contra a Bulgária, às 12h (hora de Brasília). “A Bulgária também vem vencendo dentro da chave. Será outro compromisso dificílimo para nós, e vai nos exigir muito. Nossa chave é bem complicada, mas acredito que isso vai nos fortalecer para conquistar uma vaga na próxima etapa. E o confronto contra as búlgaras será decisivo para a classificação”, disse o treinador.

O Brasil tem no elenco as levantadoras Lyara e Bruna Costa, as opostas Lorenne e Edinara, as centrais Lays, Mayany e Ingrid, as ponteiras Drussyla, Gabi Cândido, Maira e Talia, além da líbero Natália Araújo.

Formato
Nesta edição do Campeonato Mundial está em fase de testes uma nova fórmula de disputa das partidas, que são realizadas em melhor de sete sets de quinze pontos. A briga pelo primeiro lugar no pódio conta com 12 seleções divididas em dois grupos de seis nos quais todos jogam entre si. Os dois melhores de cada chave avançam para as semifinais. A grande decisão está marcada para o dia 17 de setembro.

Tabela
10.09 (DOMINGO) BRASIL 4x0 Quênia (15/2, 15/5, 15/12 e 15/10)
11.09 (SEGUNDA-FEIRA) BRASIL 4x0 Turquia (17/15, 15/12, 15/6 e 15/12)
12.09 (TERÇA-FEIRA) BRASIL 4x1 Japão (14/16, 15/13, 15/11, 17/15 e 15/10)
14.09 (QUINTA-FEIRA) BRASIL x Bulgária, às 12h (hora de Brasília)
15.09 (SEXTA-FEIRA) BRASIL x Cuba, às 15h (hora de Brasília)

Veja também

Sport visita o Flu e busca encerrar jejum fora de casa na Série A
Campeonato Brasileiro

Sport visita o Flu e busca encerrar jejum fora de casa na Série A

Kevyn testa positivo para Covid-19 e desfalca Náutico
Futebol

Kevyn testa positivo para Covid-19 e desfalca Náutico