Brasil x Suíça divide coração de jovem recifense

Recifense com cidadania suíça se vê diante de um feliz impasse no confronto Brasil e Suíça, pela Copa do Mundo

"Quando Brasil e Suíça se enfrentam eu fico dividido", diz torcedor"Quando Brasil e Suíça se enfrentam eu fico dividido", diz torcedor - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Copa do Mundo é mesmo algo especial. A cada quatro anos, a nata do futebol se enfrenta no maior evento da modalidade. Costuma-se dizer que é o período em que os cidadãos mais exercem seu patriotismo. No entanto, não se pode dizer que todos os brasileiros estão incondicionalmente unidos em torno da esquadra verde-amarela. Afora aqueles que desejam até mesmo o fracasso da equipe comandada por Tite, há alguns que, pelos mais variados motivos, estão com o coração ao meio. No Recife, podem-se encontrar torcedores divididos entre vibrar pelo país no qual residem ou pela nação de seus ascendentes. Rudolf Fehr, morador do bairro de Boa Viagem, é um desses exemplos. O jovem, de 21 anos, é cidadão suíço e vai acompanhar o confronto deste domingo Brasil e Suíça sem preferência de vencedor ao apito final.

Leia também:
Fred treina, mas ainda é dúvida para estreia do Brasil
Adversária do Brasil na Copa, Suíça vence Japão em amistoso

Embora tenha nascido e se criado em Pernambuco, o comerciante não deixa de mostrar extenso apreço pela nacionalidade de seus ancestrais. "O elo com a nacionalidade suíça é do nosso avô por parte de pai, que nasceu lá na Suíça. Ele passou a nacionalidade para o meu pai, que passou para mim e para meu irmão mais novo", conta Rudolf, visitante regular do país que será o adversário do Brasil na estreia da Canarinho na Copa do Mundo da Rússia. "Há dois anos eu morei lá e este ano já fomos à Suíça também", acrescenta. Por conta dos laços familiares, passou a simpatizar também com o futebol da terra de seu avô. "Assisto todo tipo de futebol, tanto o nacional quanto o internacional. O futebol suíço não é tão grande ou famoso quanto outros na Europa, mas acompanho também", afirma.

"Eu sempre acompanho e torço pela Suíça, em Eurocopa, assim como torço pelo Brasil nos torneios da América do Sul", assegura. Contudo, Rudolf se vê diante de um feliz impasse quando as seleções brasileira e suíça medem forças. E não nega que fica mesmo em cima do muro nessas ocasiões. "Torço tanto para um quanto para o outro. Quando os dois se enfrentam fico com o coração dividido mesmo, mas quem ganhar eu acho justo", explica, sem demonstrar preferência. "Acho que a Suíça vem com um time bom para essa Copa. Como sempre muito bem preparada defensivamente. Ofensivamente não tanto, tanto que é uma seleção conhecida por não fazer muitos gols, mas também não leva muitos. É sempre um jogo muito truncado, a parte física sobressai. Eu diria que o jogo seria 2x1, um jogo muito difícil", avalia.

Apesar de afirmar que ficará satisfeito com a vitória de qualquer uma das nações, é bem provável que Rudolf esteja vibrando mesmo pelo esquadrão alvirrubro. Afinal, o comerciante estará rodeado de torcedores da Suíça quando a bola estiver rolando. "Vai haver um encontro dos suíços que moram na região Nordeste. Gente de Pernambuco, Alagoas, Paraíba... meus parentes vão. Meu pai, meu irmão e os cidadão suíços que aqui residem assistirão ao jogo juntos", declara o torcedor, que estará ao lado da Colônia Suíça em Pernambuco e Amigos da Suíça. O encontro da comunidade acontecerá no bar e restaurante Seu Boteco, no Bairro do Recife, na varanda voltada para o Marco Zero, a partir das 14h. A partida começa oficialmente às 15h e Recife será, certamente, um pedaço significante da torcida pela Suíça no duelo.

Veja também

Em tarde de Alex Alves, Náutico vence Botafogo por 3 a 1 e segue 100% na Série B
Série B

Em tarde de Alex Alves, Náutico vence Botafogo por 3 a 1 e segue 100% na Série B

Itália e País de Gales passam de fase na Eurocopa
Eurocopa

Itália e País de Gales passam de fase na Eurocopa