Brasileiro Feminino de Futebol é anunciado sem data definida

Na Série A1, o formato prevê dois grupos, de oito clubes cada, com turno e returno.

Daniel Coelho, deputado federal pelo PSDBDaniel Coelho, deputado federal pelo PSDB - Foto: Divulgação

 

Em meio às novidades que movimentaram o futebol feminino, ontem, a CBF anunciou mudanças no Campeonato Brasileiro da modalidade. Entre elas, destaque para o sistema de disputas com acessos e rebaixamentos e o aumento das cotas financeiras. Estarão garantidos automaticamente o atual campeão brasileiro (Flamengo/Marinha) e o vencedor da Copa do Brasil (Audax/Corinthians), além dos oito primeiros do ranking nacional feminino e os seis primeiros colocados do Brasileirão masculino des­te ano - uma “cota estratégica” para fomentar o investimento na modalidade.
Na Série A1, o formato prevê dois grupos, de oito clubes cada, com turno e returno. Avançarão às quartas de final os quatro times melhores colocados de cada grupo. Nesta fase, serão disputados jogos de ida e volta, assim como na semifinal e na final. A premiação prevê que o clube que se classifique para esta competição receba R$ 15 mil, quem avançar para as quartas, mais R$ 20 mil; R$ 30 mil para quem chegar às semis; R$ 60 mil para o vice e R$ 120 mil para o campeão.

Na A2, serão dois grupos de oito times, que jogarão em turno único na primeira fase. A partir das semifinais, as partidas passam a ser de ida e volta. A premiação da competição será de R$ 10 mil para quem se classificar à A2; R$ 15 mil para os clubes que chegarem às semis; R$ 30 mil para o vice e R$ 50 mil para o campeão. Apesar das novidades, o certame segue sem data para início e término, uma das críticas dos clubes, que acabam tendo o planejamento prejudicado.

“A princípio, achamos bom (o novo formato). A ideia é boa e ainda vai agregar mais equipes. Acredito que o problema que devemos solucionar agora é a questão das datas, sofremos muito com isso. Fica difícil planejar a temporada e contratar jogadoras quando tudo é decidido em cima da hora”, pontuou Maurício Salgado, treinador do Vitória, de Vitória de Santo Antão. A equipe interiorana, assim como o Náutico, esteve na Copa do Brasil 2016, encerrada recentemente. Esse evento, inclusive, corre o risco de não ser realizado em 2017, devido ao alongamento do Brasileiro.

“O ideal seria ter as duas competições para o time principal ter um calendário mais extenso”, destacou o vice-presidente de esportes amadores do Náutico, Sérgio Lopes.

“Para mim, seria maravilhoso se a Copa do Brasil continuasse sendo disputada pelas meninas do adulto e que novas competições surgissem para a base. Seria mais proveitoso para o desenvolvimento do futebol feminino”, corroborou Salgado.

 

Veja também

Aliviado, Kleina vê vitória como fator para 'readquirir confiança'
Náutico

Aliviado, Kleina vê vitória como fator para 'readquirir confiança'

Sai, zica! Náutico encerra jejum e bate Oeste fora de casa
Série B

Sai, zica! Náutico encerra jejum e bate Oeste fora de casa