"Campeonato Russo é o mais limpo do mundo", diz médico da Rússia

Seleção russa é alvo de suspeitas por conta do mega-escândalo de doping estatal que tirou a Rússia das últimas Olimpíadas.

Seleção da Rússia Seleção da Rússia  - Foto: ÁFP

O médico da seleção russa de futebol, Eduard Bezuglov, afirmou nesta segunda-feira que o campeonato do país é o mais limpo de todos, em todos os esportes no mundo inteiro.

Três meses antes do início da primeira Copa do Mundo organizada do país, a seleção russa é alvo de suspeitas por conta do mega-escândalo de doping estatal que tirou a Rússia das últimas Olimpíadas.

Leia também:
COI encerra suspensão da Rússia por escândalo de doping
Com doping confirmado, russos perdem bronze no curling 
Tribunal anula suspensão de 28 atletas russos por doping

"Não existe nada comparável em nenhum lugar do mundo", declarou o médico da seleção à agência de notícias russa RIA Novosti. "Em outras palavras, não conheço nenhum outro esporte que não tenha problemas com substâncias proibidas, mas o futebol russo não tem esses problemas".

O ex-dirigente da Federação Russa de Futebol (RFU), Vitali Mutko, foi encarregado de supervisionar a preparação dos atletas russos antes dos Jogos Olímpicos de Sochi-2014, coração do escândalo de doping.

Por conta do escândalo, Mutko deixou o cargo na organização da Copa do Mundo-2018.

O médico Bezuglov explicou que a RFU e a Agência Russa Anti-doping (RUSADA) realizam "cursos de formação obrigatórios" e que publicam manuais médicos para todos times do campeonato russo.

A Fifa ainda investiga supostas violações da lei anti-doping do futebol russo no passado.

Grigori Rodchenkov, que vive desde 2016 escondido nos Estados Unidos, revelou em 2015 o sistema de doping estabelecido pelo Estado Russo. O esquema aconteceu sobretudo desde as Olimpíadas de Inverno de Sochi-2014, com apoio de agentes da FSB (ex-KGB) para manipular amostras dos atletas dopados.

Até o momento, a Fifa não pôde confirmar as acusações de Rodchenkov, considerado um traidor pelo Palácio do Kremlin.

Eduard Bezuglov detalhou que 1.500 amostras de jogadores russos foram examinadas no exterior desde a suspensão do laboratório anti-doping russo, em novembro de 2015.

"Em todo esse tempo, não houve um exame positivo", destacou.

Veja também

Cairo Santos renasce na NFL após dispensas e até quebra recorde pessoal
NFL

Cairo Santos renasce na NFL após dispensas e até quebra recorde pessoal

Mesmo longe de técnico, Palmeiras negocia por reforços para defesa e ataque
Futebol

Mesmo longe de técnico, Palmeiras negocia por reforços para defesa e ataque