Capitães de seleções rivais do Peru pedem Guerrero na Copa

Uma carta em apoio a Guerrero foi assinada pelo goleiro francês Hugo Lloris, o zagueiro dinamarquês Simon Kjaer, e o volante da Austrália Mile Jedinak

Guerrero segue impedido de voltar a atuarGuerrero segue impedido de voltar a atuar - Foto: PABLO PORCIUNCULA / AFP

Paolo Guerrero ganhou mais aliados em sua luta para tentar disputar a Copa do Mundo. Nesta segunda-feira, os capitães das seleções da França, Dinamarca e Austrália assinaram uma carta pedindo à Fifa para deixar o atacante do Flamengo representar o Peru no Mundial de 2018.

A carta foi anunciada pela Associação de Jogadores Profissionais (Fifpro) e assinada pelo goleiro francês Hugo Lloris, do Tottenham, o zagueiro dinamarquês Simon Kjaer, do Fenerbahçe, e o volante Mile Jedinak, do Aston Villa. Os atletas representam as seleções que enfrentarão o Peru no Grupo C da Copa do Mundo.

Os jogadores se juntam agora à própria associação, que havia classificado a pena de 14 meses como "injusta e desproporcional", alegando que Guerrero não teve intenção de consumir a substância benzoilecgonina, principal metabólito da cocaína e da folha de coca, após o empate sem gols entre Peru e Argentina, em Buenos Aires, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018. O metabólito está na lista de substâncias proibidas.

No último domingo (20), o jogador viajou à Suíça para se encontrar com Gianni Infantino, presidente da Fifa. Antes do embarque, seus compatriotas marchavam em apoio a Guerrero na cidade de Lima.

A audiência de Guerrero com o mandatário foi solicitada pelo presidente da Federação Peruana de Futebol (FPF), Edwin Oviedo, há três dias. O mandatário da entidade, que acompanhará o goleador no encontro, enviou uma carta ao presidente, que foi publicada pela imprensa local.

Veja também

Superliga é criticada por 14 clubes da primeira divisão inglesa
Futebol Internacional

Superliga é criticada por 14 clubes da primeira divisão inglesa

Superliga é um 'projeto para o futuro', diz técnico da Juventus
Futebol

Superliga é um 'projeto para o futuro', diz técnico da Juventus