Capitão mudou formação da seleção contra o Uruguai na semifinal

Ex-companheiros relembraram como foi a convivência com Carlos Alberto Torres

ConcursoConcurso - Foto: Reprodução/ Internet

Ex-companheiros de Carlos Alberto Torres, 72, no Santos e na seleção brasileira exaltaram o espírito de liderança do ex-jogador, que morreu vítima de infarte fulminante nesta terça-feira (25), no Rio.

"Foi um choque muito grande [a morte do Carlos Alberto Torres]. Ele era um líder positivo dentro e fora de campo. Ele se impunha e tinha resposta para tudo", contou o volante Clodoaldo, 67, que foi companheiro de quarto de Carlos Alberto Torres na Copa do Mundo do México, em 1970, quando a seleção brasileira conquistou o tricampeonato. De acordo com Clodoaldo, o "Capita" -como era chamado por amigos- teve um papel fundamental no duelo contra o Uruguai, pela semifinal da Copa do Mundo do México. Após o primeiro gol dos uruguaios, ele pediu que Gérson, que sofria uma marcação individual, ficasse mais recuado e liberasse Clodoaldo para atacar. No final do primeiro tempo, Clodoaldo recebeu dentro da grande área e finalizou cruzado para empatar o jogo. No segundo tempo, Jairzinho e Rivelino marcaram os outros gols do triunfo.

"Ele conversou com o Gérson e com o Zagallo, e decidiram por essa mudança, que foi essencial para vencermos o Uruguai", relembrou Clodoaldo. "Durante a preparação e a Copa do Mundo o Carlos Alberto Torres sempre me passou confiança de que conquistaríamos o título".

Já o ex-atacante Pepe afirmou que a morte de Carlos Alberto Torres é "a perda de mais um amigo". Ele também citou a liderança do ex-jogador. "Era um líder nato. Começava pela voz, que era forte. Se tivesse um grupo conversando e ele chegasse... Exercia um comando, um respeito. Era uma pessoa muito boa gente, o tipo de cara que dava atenção a seus admiradores".

Pepe foi o responsável por colocar o até então lateral para atuar como zagueiro no Santos. "Quando parei, em 1969, ele virou o meu jogador. Na época, eu estava precisando de um quarto zagueiro, e as opções que eu tinha estavam difíceis. Aí eu conversei com ele, para ver se ele me quebrava aquele galho e jogava improvisado, e ele aceitou. Lembro que um dirigente da época me perguntou se eu realmente ia tirar o melhor lateral direito do mundo. E eu pensei, bom, lateral eu improviso qualquer um, pra quarto zagueiro eu vou precisar de alguém bom mesmo, e coloquei ele. No fim, ele foi contratado pelo Cosmos pra jogar nessa mesma posição, fiquei feliz por promover a mudança", contou em entrevista à Folha de S.Paulo.

Integrante da seleção tricampeã, Gérson também exaltou a liderança de Carlos Alberto Torres. "Nós jogadores o elegemos [como capitão], não foi a direção. Pra nós, ele tinha uma importância capital, dentro e fora das quatro linhas. Ele era o capitão, tudo era com ele, organizava tudo. Foi capitão da seleção, do Santos, do Fluminense e do Cosmos. Não era capitão para cara e coroa. Era o Capita. O grupo da década de 1970 não o chamava pelo nome, só de Capita. Então era isso, ele era o cara", disse ao SporTV."Tudo o que gente fazia ele era a principal figura. Todas as principais coisas daquela seleção de 1970 eram com ele. A liderança que ele tinha nunca mais vai ter, pode escrever aí. Nunca mais. Como ele, que se comportava e falava como ele, do jeito que ele era respeitado na seleção, posso dizer: não vai ter outro igual. Todo mundo perde um pouco com a sua morte. O legado? É muito maior que o beijo dado na taça", completou.

Tetracampeão em 1994, Carlos Alberto Parreira, que era preparador físico da seleção tricampeã, citou a confiança que o ex-jogador demonstrou momentos antes da final contra a Itália. "Tem uma história da Copa de 1970. A gente partia para a final contra a Itália, eram umas 10h da manhã. Eu eu era mais novo que ele. Daí ele me viu com cara fechada e seria, e me perguntou: 'garoto, porque você está tão preocupado?'. E eu expliquei que era justamente porque estávamos indo enfrentar a Itália, ao que ele me respondeu: 'não se preocupa, com e essa preparação, com esse timaço, nós vamos ganhar mole'. Ele foi um jogador maravilhoso, um líder ao lado de Pelé e Gerson", disse ao SporTV.

Veja também

Náutico confirma contratação do meia Marcos Vinícius
Futebol

Náutico confirma contratação do meia Marcos Vinícius

Defesa de Carol Solberg recorrerá de advertência por 'fora, Bolsonaro'
Manifestação

Defesa de Carol Solberg recorrerá de advertência por 'fora, Bolsonaro'