Catar gasta $500 milhões de dólares por semana na preparação para Copa-2022

O ministro das Finanças do emirado afirmou que estes gastos continuarão até 2021

Projeto Arena Catar para Copa de 2022Projeto Arena Catar para Copa de 2022 - Foto: AFP

O Catar, sede da Copa do Mundo de 2022, está gastando 500 milhões de dólares por semana na preparação do país para sediar o evento, explicou nesta terça-feira o ministro das Finanças do emirado.

Ali Shareek Al-Emadi afirmou que estes gastos faraônicos continuarão de forma ininterrupta até 2021.

"Gastamos 500 milhões de dólares por semana nos principais projetos e isso vai continuar assim durante os próximos três ou quatro anos, no intuito de conseguir nosso objetivo, que é estarmos prontos para 2022", explicou o ministro aos jornalistas, em coletiva de imprensa.

No total, o emirado, potência na produção de petróleo, desembolsará 20 bilhões de euros para organizar a Copa do Mundo.

"Cerca de 90% dos contratos estão a pleno vapor, e isso não envolve só os estádios. Também vamos construir autoestradas, vias férreas, aeroportos... As verdadeiras infraestruturas, hospitais e todo o resto", garantiu.

Questionado sobre o fato da Copa do Mundo do Catar possivelmente se tornar a mais cara da história, o ministro argumentou que "se levarmos em consideração unicamente a construção de estádios, não será o Mundial mais caro da história".

Al-Emadi garantiu que este investimento não será afetado por um possível déficit orçamentário, apesar dos recentes problemas econômicos do país, devido à queda do preço do barril de petróleo no mercado.

O Catar sofreu no ano passado seu primeiro déficit orçamentário em 15 anos, no valor de 11,2 bilhões de euros.

Veja também

Com 21% de chance de queda, Sport encara sequência que lhe deu apenas quatro pontos no 1º turno
Sport

Com 21% de chance de queda, Sport encara sequência que lhe deu apenas quatro pontos no 1º turno

Comitê Olímpico Francês cita condições "extremamente difíceis" para atletas que não se vacinarem
Olimpíadas

Comitê Olímpico Francês cita condições "extremamente difíceis" para atletas que não se vacinarem