CBF confirmará Brasil como candidato a sede da Copa feminina de 2023

A CBF reafirmará o desejo de sediar a competição e oficializará seu interesse em respostas protocolares a um questionário da entidade internacional

Seleção brasileira feminina de futebolSeleção brasileira feminina de futebol - Foto: Fernanda Coimbra/CBF

O Brasil será candidato a sede da Copa do Mundo feminina de 2023. O país já havia sido inscrito no processo anteriormente, mas a mudança do tamanho do torneio, oficializada nessa quarta-feira (31), fez as nações procurarem a Fifa neste mês de agosto para confirmar se desejam permanecer na disputa ou não.

A CBF reafirmará o desejo de sediar a competição e oficializará seu interesse em respostas protocolares a um questionário da entidade internacional. Inicialmente, não há uma necessidade oficial de aprovação do Ministério da Cidadania, responsável pelo Esporte no governo Bolsonaro. O Estado será consultado em função do tamanho do evento, mas não tem poder de veto sobre a candidatura.

O UOL Esporte apurou que sediar o Mundial é uma das prioridades da gestão de Rogério Caboclo, presidente da CBF e entusiasta do futebol feminino, como mostrou com a contratação da treinadora Pia Sundhage. África do Sul, Argentina, Austrália, Bolívia, Coreia do Sul (em possível candidatura conjunta com a Coreia do Norte), Colômbia, Japão e Nova Zelândia foram os outros oito países que se inscreveram na primeira oportunidade aberta pela Fifa.

Leia também:
Final da Copa Feminina teve mais audiência no Brasil do que nos EUA
Estados Unidos e Holanda decidem título da Copa feminina
Copa do Mundo feminina terá 32 equipes a partir de 2023
Com premiação de R$ 113 mi, finais da Copa do Mundo de Fortnite começam nesta sexta

Agora, com o sucesso de audiência da Copa de 2019 e o aumento no número de seleções participantes (de 24 para 32), o processo foi reaberto. Alguns destes nomes podem sair por vontade própria, dependendo das decisões tomadas por cada federação em conjunto com os governos locais, e a tendência é de que surjam novos concorrentes de peso.

Porém, a CBF avalia ter vantagem diante de outros candidatos graças à estrutura que já existe no Brasil. Afinal, o país sediou a Copa do Mundo masculina há cinco anos. Caboclo tem mandato à frente da CBF até abril de 2023, mas, se for reeleito, seguirá no cargo durante o torneio. Por isso, o presidente sonha com o Mundial e vislumbra mudanças concretas no calendário daquele ano -neste caso, os campeonatos nacionais masculinos seriam paralisados, decisão que liberaria os principais estádios do país para as seleções femininas.

Outros torneios realizados em solo brasileiro recentemente, como a Copa América, mostram que a atual gestão da CBF tem buscado protagonismo como país-sede. No caso da Copa feminina, a mobilização vista em outros continentes e a evolução do nível técnico das mulheres são fatores que motivam o interesse, e há, ainda, o crescimento da audiência nacional.

O Brasil teve a maior audiência da história do futebol feminino em todo o planeta. O recorde foi alcançado na partida contra a França, que eliminou a seleção brasileira nas oitavas de final e foi vista por mais de 35 milhões de espectadores em Globo, Band e SporTV. Se somarmos todos os televisores do país que estavam ligados em um canal aberto, 53% estavam na Globo no momento do jogo.

Veja também

Com grande atuação do trio de Denver, Nuggets vencem os Lakers
NBA

Com grande atuação do trio de Denver, Nuggets vencem os Lakers

São Paulo perde da LDU em Quito e se complica na Libertadores
Futebol

São Paulo perde da LDU em Quito e se complica na Libertadores