CBF tem mais dois políticos na direção, além de Perrella

Vicente Cândido (PT-SP) é diretor de Assuntos Internacionais e Marcelo Aro (PHS-MG) está na sua segunda diretoria na gestão de Del Nero na CBF.

Marco Polo del Nero, ex-presidente da CBFMarco Polo del Nero, ex-presidente da CBF - Foto: Divulgação/CBF

Antes da entrada de Gustavo Perrella, a CBF já contava com políticos na atual diretoria. Dois deputados federais foram nomeados para cargos na confederação por Marco Polo Del Nero no início do seu mandato. Vicente Cândido (PT-SP) é diretor de Assuntos Internacionais da entidade e Marcelo Aro (PHS-MG) está na sua segunda diretoria na gestão de Del Nero. Aro é diretor de Relações Institucionais. Antes, ocupava o cargo de diretor de Ética e Transparência da CBF.

Apesar do cargo, Aro se recusou a abrir processo contra o presidente da CBF ou contra os ex-comandantes da entidade (José Maria Marin e Ricardo Teixeira) denunciados pelo FBI por corrupção. A família de Aro tem influência no futebol mineiro há décadas. Seu avô, seu pai e seu tio comandaram a federação local. Em 2004, seu tio, Elmer, teve o mandato cassado. Durante a CPI do Futebol, realizada em 2001, no Senado, Elmer, que já morreu, admitiu sonegar impostos e praticar o nepotismo na entidade.

Já Cândido é um antigo companheiro de Del Nero. Os dois foram sócios num escritório de advocacia em São Paulo. Em 2016, o petista admitiu que recebia da entidade quase o mesmo salário que ganhava como deputado – cerca de R$ 33 mil. Cândido alegou que era legítimo receber salário da CBF e "defender os interesses do esporte" em Brasília. Na ocasião, Del Nero era investigado pelo FBI, pela Fifa e por duas CPIs - uma na Câmara dos Deputados e outra no Senado.

Leia também:
CBF nomeia dono de helicóptero pego com cocaína
Futuro presidente da CBF acompanha treino da Seleção

No mesmo ano, Cândido e Aro lideraram a bancada da bola, que extinguiu a CPI da Máfia do Futebol, instalada para investigar denúncias contra dirigentes envolvidos no escândalo da Fifa. A comissão durou apenas três meses e teve o pedido de prorrogação barrado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia. A CBF também tem um deputado federal entre os seus quatro vices. É Marcus Vicente (PP-ES), que também comandou a federação capixaba de futebol.

Veja também

Para reagir na Série A, Sport busca surpreender Atlético/MG, no Mineirão
Brasileirão

Para reagir na Série A, Sport busca surpreender Atlético/MG, no Mineirão

Bahia, São Paulo e Vasco conhecem adversários da Copa Sul-Americana
Sulamericana

Bahia, São Paulo e Vasco conhecem adversários da Copa Sul-Americana