Cesar Cielo diz não pensar nos Jogos de Tóquio-2020

Trabalhando com metas curtas no momento, Cesar Cielo diz que futuro dependerá de motivação e resultados

César Cielo, nadadorCésar Cielo, nadador - Foto: Satiro Sodré/SSPress/CBDA

Ídolo do esporte mundial e protagonista de uma fase áurea da natação brasileira, o paulista Cesar Cielo aportou no Recife para ministrar uma edição da clínica de capacitação que leva o seu nome, a César Cielo Swim Camp (CCSC), que tem início hoje, em uma escola particular da Zona Norte, com participação mediante inscrição paga. Antes de iniciar as atividades, porém, ele e os pais comandaram uma palestra, ontem, na Uninassau, com a presença de estudantes e atletas da instituição.

Aos 31 anos, Cesar Cielo já não tem mais uma rotina exclusiva de atleta. Os treinos, agora, dividem espaço com atividades fora da água, mas também ligadas à modalidade que é a paixão da vida dele. A clínica que ele traz à Cidade é uma dessas atividades, bem como o trabalho como coach e a sociedade em uma empresa de fabricação de equipamentos aquáticos, incluindo itens que normalmente têm de ser importados pelos profissionais da área e que ele e o sócio na Fiore Sports planejam produzir no País.

Leia também:
Cielo faz seu melhor tempo nos 50m livre desde 2014, mas fica com a prata
Cesar Cielo fatura bronze no retorno às competições
Cielo volta às piscinas após 11 meses com 17º tempo do ano nos 50m livre
Cielo diz que disputará Tóquio-2020 se 'estiver bem'

Dono do primeiro ouro olímpico da natação nacional, fora 17 medalhas em Mundiais, 11 delas douradas, Cesar Cielo reconhece que a motivação dos treinos, embora ainda presente, já não é a mesma de outras épocas. Por isso, tem evitado traçar metas em longo prazo, como uma possível participação nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

“Sinceramente, ainda não pensei sobre Tóquio. Minha ideia hoje é nadar bem o Finkel (Campeonato Brasileiro que será seletiva para o Mundial de Piscina Curta) e entrar na seleção que irá ao Mundial. Tudo vai depender se eu vou nadar bem em agosto e em dezembro e se terei motivação, que, para ser sincero, é o mais difícil de manter. É acordar às 5h30 para pular na água, me privar de algumas comidas, ter de dormir cedo. Enquanto estiver curtindo minha vida de atleta e estiver competitivo, continuo”, explica o recordista olímpico e mundial dos 50 metros livre. “Mas se eu sentir que chegou a hora de ajudar fora da água, que é um dos meus objetivos, vou fazer”, completa.

Entre as formas que Cesar Cielo encontrou de contribuir com o esporte estando fora da água está a CCSC, que conta com a presença de outros quatro profissionais, além dos pais dele, o pediatra Cesar e educadora física Flávia. “A clínica é um pacote. Recebe treinadores para uma capacitação, recebe os pais com a experiência vivida pelos meus pais, que sempre me acompanharam, e recebe as crianças com uma imersão na natação de alto rendimento, com técnicas e equipamentos modernos usados por mim. É uma forma que tenho de devolver à natação tudo o que tive. Quero ajudar no fomento, ver a natação crescer. Temos uma boa geração, com Etiene (Medeiros), Bruno (Fratus), mas é preciso ir até os mais novos. Há uma diminuição de atletas e isso é triste”, pontua o nadador.

Compromissos

O Troféu José Finkel acontece entre os dias 24 e 28 de agosto, em São Paulo, enquanto o Mundial será entre 7 e 11 de dezembro, na China. Cesar Cielo segue como detentor dos recordes mundiais dos 50 metros e dos 100 metros livre e do recorde olímpico dos 50 metros livre. Todos estabelecidos em piscina longa.

Veja também

"Vou pensar se saio ou se fico", diz Felipão após livrar Cruzeiro da Série C
Futebol

"Vou pensar se saio ou se fico", diz Felipão após livrar Cruzeiro da Série C

Empresário Josenildo Dody confirma pré-candidatura à presidência do Santa Cruz
Eleições

Empresário Josenildo Dody confirma pré-candidatura à presidência do Santa Cruz