Claudinei pede calma e espera evolução de Carlos Henrique

Carlos Henrique vem sendo acionado no segundo tempo das partidas, mas ainda não convenceu os torcedores. Treinador confia no futebol do jogador

Carlos Henrique marcou três gols em jogo-treino contra o Sub-17.Carlos Henrique marcou três gols em jogo-treino contra o Sub-17. - Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Contratado com a expectativa de ser o “substituto de André” no Sport, o atacante Carlos Henrique vem sendo acionado pelo técnico Claudinei Oliveira no segundo tempo dos jogos, mas ainda não conseguiu mostrar aspectos que deixem a torcida leonina animada. Acionado aos 21 minutos da etapa final contra o Paraná, aos 21 minutos da etapa final diante do Bahia e aos 20 minutos do segundo tempo contra o Cruzeiro, no último domingo (13), o jogador pouco foi acionado. E quando foi demonstrou ainda estar fora do peso ideal.

Leia também:
Após derrota, Sport iguala campanha do Brasileirão 2017
Jogadores do Sport lamentam derrota, mas exaltam o 1º tempo
Regularizado no Sport, Carlos Henrique sonha alto na estreia
Diretoria do Sport confirma chegada de Carlos Henrique

Com poucas opções para atuar como homem de referência no ataque, o comandante leonino exaltou a característica de área de Carlos Henrique. “É um jogador que tem características diferentes de Rogério, que é um falso 9. Carlos Henrique segura mais a bola e espera o time sair de trás. Ele é diferente até mesmo de Rafael Marques. A gente inclusive pede muito para ele não sair da área”, comentou Claudinei.

Tendo o físico avantajado como uma das suas características, o jogador sofreu com uma lesão muscular antes de estrear pelo Sport e por isso teria engordado, segundo explicou o próprio Carlos Henrique. Para o treinador Claudinei Oliveira, é preciso paciência com o atacante, mas o rendimento dele até agora vem sendo satisfatório para as circunstâncias. “Carlos Henrique tem evoluído bem. É um jogador melhorando a condição física. Ele está sendo escalado no que está sendo cobrado para ele. Vem conseguindo nos ajudar. Estou satisfeito”, frisou Claudinei Oliveira.

Veja também

Superliga é ápice da revolução dos bilionários estrangeiros no futebol europeu
Futebol

Superliga é ápice da revolução dos bilionários estrangeiros no futebol europeu

Clubes brasileiros dominam a Libertadores, mas crise pode ser uma ameaça à hegemonia
Futebol

Clubes brasileiros dominam a Libertadores, mas crise pode ser uma ameaça à hegemonia