Clube de Ricardinho se defende de acusação de desvio de verba

Denúncia apontam que R$ 255 mil de verbas públicas foram parar em contas particulares de Ricardinho e Carmen Panza, sogra do ex-jogador

Ex-jogador garante lisura na administração das verbas públicasEx-jogador garante lisura na administração das verbas públicas - Foto: Reprodução/Facebook

O Maringá Vôlei, clube que tem o ex-levantador Ricardinho como presidente, se defendeu das denúncias de desvio de dinheiro público na realização de dois eventos em 2014. O clube ressalta que o Maringá Vôlei só estabeleceu um contrato com a CBV (Confederação Brasileira de Vôlei).

"O questionamento do Ministério Público não se trata de atividades cotidianas desenvolvidas pela associação e pelo Ricardinho, mas sim de dois eventos isolados realizados em 2014 -Copa Brasil e Liga Mundial. Esclarece ainda que o Maringá Vôlei não fez qualquer contratação com a Prefeitura de Maringá e sim com a CBV, única detentora dos direitos de promover jogos da Copa Brasil e Seleção Brasileira", informou o clube em nota divulgada pela assessoria de imprensa.

Leia também:
Campeão olímpico, Ricardinho anuncia aposentadoria
Giba anuncia que fará parte do Hall da Fama do vôlei mundial


"É importante ressaltar que todos os serviços contratados foram realizados e que as devidas prestações de contas foram feitas para a CBV. Inclusive esses eventos muito contribuíram com a economia, incentivando o esporte e o turismo."

De acordo com a investigação do Ministério Público do Paraná, a Prefeitura de Maringá repassou ao Maringá Vôlei (nome fantasia da empresa Vôlei Brasil Centro de Excelência) R$ 880 mil para a realização de dois eventos em 2014: uma etapa da Liga Mundial e a Copa Brasil.

Desse montante, porém, teriam sido justificados os gastos de apenas R$ 204 mil. Segundo a acusação, há provas de que R$ 255 mil foram parar em contas particulares de Ricardinho e Carmen.

O Ministério Público diz ainda que o advogado do clube na época, Rogério Rodrigues, sacou R$ 550 mil em espécie. O dinheiro da bilheteria, cerca de R$ 325 mil, também teria sumido. Nesse caso, o Maringá Vôlei ressalta que Rogério não faz mais parte do quadro de funcionários da entidade.

Por causa disso, a Justiça do Paraná determinou o bloqueio das contas bancárias e de quatro automóveis pertencentes ao ex-levantador Ricardinho por causa de uma denúncia de desvio de verbas públicas que deveriam ter sido utilizadas em eventos de vôlei.

O bloqueio também vale para a sogra do ex-jogador, Carmen Panza, e para o clube do qual ele é presidente, o Maringá Vôlei.

O Maringá Vôlei ainda esclarece que em nenhum momento o clube, Ricardo Bermudez Garcia e Maria do Carmo Panza receberam notificação judicial para prestar contas dos eventos. "No entanto, eles declaram, nesta oportunidade, que estão à disposição da Justiça para que os fatos sejam esclarecidos. Por fim, Ricardinho ressalta que tudo foi feito na mais absoluta lisura, como será apurado."

Veja também

Uefa envia mensagem equivocada ao proibir cores do arco-íris em estádio, alerta ministro alemão
arco-íris

Uefa envia mensagem equivocada ao proibir cores do arco-íris em estádio, alerta ministro alemão

Novo presidente do Sport será escolhido via eleições diretas
Futebol

Novo presidente do Sport será escolhido via eleições diretas