Clubes esnobam estádios “padrão Fifa”

Custo mais elevado para se jogar nas arenas ou identificação da torcida com o campo “caseiro” justificam decisões

A expectativa do senador Fernando Bezerra Coelho é a construção de consenso que permita aprovação da PEC até dezembro.A expectativa do senador Fernando Bezerra Coelho é a construção de consenso que permita aprovação da PEC até dezembro. - Foto: Divulgação

SÃO PAULO (Folhapress) - Apesar de terem à disposição arenas “padrão Fifa”, que foram construídos ou reformados para a Copa do Mundo de 2014, cinco clubes que disputarão as séries A e B do Brasileiro em 2017, em quatro capitais do País, têm optado por mandar seus jogos em estádios menores e de estrutura mais simples.

Para justificar a escolha, dirigentes elencam fatores como o custo mais elevado para se jogar nas arenas da Copa ou a identificação da torcida com outros estádios. É o caso do ABC, de Natal. Recém-promovido para a Série B, o time manda seus jogos no Frasqueirão, pertencente ao próprio clu­be, em detrimento da Arena das Dunas, usada pelo principal rival do time, o América/RN.

A diferença entre os estádios é notória, a começar pela capacidade: aproximadamente 18 mil no Frasqueirão, contra 31 mil na Arena.

Rodrigo Salustino, vice-presidente executivo do ABC, minimiza a diferença na infraestrutura. “Temos todo o conforto necessário, apesar de não ter a sofisticação de uma arena moderna”, diz.

Os baixos públicos que o time leva para o estádio também pesam na decisão, porque fazem com que não compense o aluguel de um espaço maior, segundo o dirigente. Na semifinal da Série C de 2016, último jogo oficial do ABC em casa no ano passado, foram 7.335 pagantes no Frasqueirão, segundo a CBF.

Identificação
No Recife, o Santa Cruz e o Sport preferem mandar suas partidas fora da Arena Pernambuco. Atuam, respectivamente, no estádio do Arruda e na Ilha do Retiro. De acordo com Constantino Júnior, diretor de futebol do Santa Cruz, apesar de a diferença na infraestrutura pesar, já que o Arruda é 41 anos mais velho que a Arena Pernambuco, a identificação do clube com o local pesa mais.

“É uma questão histórica mesmo, o costume do torcedor com o nosso estádio”.

Por meio de sua assessoria de imprensa, o Sport informou que a opção se deve a uma questão financeira e também pela relação do torcedor com a Ilha do Retiro.

Já a Arena Fonte Nova, em Salvador, está acostumada a receber o Bahia, mas não seu principal rival, o Vitória. O time rubro-negro baiano costuma mandar suas partidas no Barradão.

Segundo dirigentes, o clube tem maior potencial de retorno financeiro e técnico no seu estádio. O Vitória não descarta, porém, organizar jo­gos pontuais na Fonte No­va. O clube diz manter boa relação com os administradores do estádio da Copa de 2014.

Em relação ao Náutico, a diretoria do clube já manifestou a vontade de voltar a mandar seus jogos no Estádio Eládio de Barros Carvalho, os Aflitos. Mas, antes, precisa realizar um projeto de reestrutução da praça esportiva. Por isso, ainda ainda deve realizar jogos na Arena Pernambuco este ano, fazendo direto com o governo do Estado, uma vez que o contrato que tinha com O Consórcio Odebrecht, antigo administrador do estádio, foi rompido.

Maracanã
Em novembro do ano passado, o Flamengo fechou um acordo para mandar seus jo­gos no estádio Luso Brasileiro, na Ilha do Governador, zo­­na norte do Rio. O espaço pertence à Portuguesa/RJ e foi usado pelo Botafogo em 2016.

Fred Luz, diretor geral do time rubro-negro, no entanto, diz que a preferência do time é pelo Maracanã. O acordo com a Portuguesa carioca se deu como uma precaução. “Não sabemos o que vai acontecer com o Maracanã”, diz o dirigente flamenguista.

O palco da final da Copa de 2014 vive momento de indefinição. A Odebrecht, principal acionista da concessionária que administra o estádio, tenta vender sua parte no negócio e cogita devolver a arena para o Estado, que vive grave crise financeira. Caso isso aconteça, o governo deve fazer nova licitação.

De acordo com Luz, mesmo que o Flamengo acabe por conseguir usar o Maracanã, seria possível conciliar o uso dos dois estádios.

“O Maracanã é inadequado para jogos com menos de 20 mil pessoas”, afirma. Nesses casos, o clube mandaria os jogos no Luso Brasileiro, que será reformado.

Veja também

Mundial de Handebol: Brasil perde para Hungria por 29 a 23
Handebol

Mundial de Handebol: Brasil perde para Hungria por 29 a 23

Ídolo do Sport, Fumagalli vai ao hotel rubro-negro em São Paulo para apoiar jogadores
Sport

Ídolo do Sport, Fumagalli vai ao hotel rubro-negro em São Paulo para apoiar jogadores