Clubes irão pedir remarcação de Atletiba para a quinta-feira pós-Carnaval

A informação circula nos bastidores e está pendente da confirmação ou não da classificação do Atlético na Copa Libertadores

Atlético-PR e Coritiba chegaram a entrar em campo no AtletibaAtlético-PR e Coritiba chegaram a entrar em campo no Atletiba - Foto: Facebook/Atlético-PR

Atlético e Coritiba irão pedir em conjunto à FPF que mude a data do Atletiba 370 -o "Atletiba do YouTube"- remarcado pela Federação Paranaense de Futebol para quarta-feira de cinzas, 1 de Março. A informação circula nos bastidores e está pendente da confirmação ou não da classificação do Atlético na Copa Libertadores, na partida desta quarta-feira, diante do Deportivo Capiatá (na ida, 3x3 em Curitiba).

A intenção do Coritiba é remarcar o jogo por conta do planejamento da equipe, que previa uma pequena folga no Carnaval, e de ambas as diretorias em contar com uma maior presença de público no primeiro dia útil pós-Carnaval. As diretorias acreditam que os torcedores ainda estarão fora de Curitiba na Quarta de Cinzas.

"Estamos definindo, faltam algumas coisas. O Coritiba tem uma demanda e estamos fazendo tudo juntos. O que eles precisarem, faremos", disse o presidente atleticano Luiz Sallim Emed. "Vamos ver como fica, vamos esperar o jogo do Atlético", confirmou o vice-presidente do Coritiba José Fernando Macedo.

Na FPF, não há oposição quanto à mudança da data, com uma ressalva. "Se apresentarem uma data próxima e uma situação que justifique, e que tenha calendário, a FPF não vai se opor. A posição da FPF é clara sobre o aconteceu é uma coisa, a continuidade é outra. Não misturo as coisas", disse o presidente Hélio Cury.

O Atletiba foi suspenso antes de seu início no domingo (19) por conta de problemas entre o staff da Federação e a equipe de transmissão contratada pelos clubes para a exibição do jogo nos canais de cada clube no YouTube.

Veja também

Kevyn testa positivo para Covid-19 e desfalca Náutico
Futebol

Kevyn testa positivo para Covid-19 e desfalca Náutico

Casagrande critica omissão da CBF e Bolsonaro: 'Governo da morte, não da vida'
Opinião

Casagrande critica omissão da CBF e Bolsonaro: 'Governo da morte, não da vida'