COB demite um dos maiores salários da gestão de Nuzman

Sérgio Lobo estava na entidade desde 2002, ocupando os cargos de secretário-geral e diretor financeiro

Denúncias contra Nuzman escancararam irregularidades no COBDenúncias contra Nuzman escancararam irregularidades no COB - Foto: Agência Brasil

Passando por mudanças desde o estouro das denúncias contra Carlos Arthur Nuzman, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) anunciou, nesta quarta-feira (1), a demissão do secretário-geral e diretor financeiro da entidade, Sérgio Lobo, que estava no Comitê desde 2002 e era um dos homens mais fortes da gestão de Nuzman, com a responsabilidade de tomar todas as decisões administrativas no órgão..

Era dele, inclusive, o salário mais alto do corpo de diretores executivos. De acordo com o site ESPN, Lobo recebia R$ 1.146.600,00 por ano, incluindo o 13º salário, o que corresponde a mais de R$ 88 mil mensais. A saída dele está relacionada com o corte de gastos feito pelo presidente Paulo Wanderley.

Além de Lobo, outro homem de confiança de Nuzman dentro do COB era Agberto Guimarães, que também recebe vencimentos que chegam a superar o repasse anual recebido por algumas confederações através da Lei Agnelo Piva. O Diretor de Esportes, no entanto, segue no Comitê.

Embora não seja alvo das investigações da Operação Unfair Play, Lobo foi citado durante o depoimento da secretária de Nuzman à Polícia Federal. Maria Celeste disse que Lobo tinha conhecimento de um e-mail de cobrança de pagamento pendente enviado por Papa Diack, filho do ex-presidente da Federação Internacional de Atletismo, Lamine Diack, para Nuzman.

Leia também:
Nuzman deixa a cadeia após habeas corpus
Nuzman, Cabral e Gryner são denunciados por propina
Carlos Arthur Nuzman renuncia à presidência do COB
Nuzman é preso por suspeita de corrupção na Rio-2016
COI revoga, parcialmente, suspensão do COB

Ex-presidente do COB por mais de duas décadas, Nuzman é investigado por participação em um esquema para compra de votos na eleição que definiu o Brasil como sede olímpica de 2016. Ele é citado como elo entre Lamine Diack, responsável por garantir os votos, e aliados do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, em ações ilícitas. Nuzman está proibido de frequentar o COB e também o Comitê Organizador da Rio 2016.

Primeira saída
Lobo não foi o primeiro dirigente a deixar o COB após a saída de Nuzman. Em 9 de outubro, logo após a prisão do ex-presidente ter sido decretada, o general Augusto Heleno, ex-comandante das tropas do Exército brasileiro no Haiti, pediu demissão da entidade. Ele era o responsável por dirigir o Instituto Olímpico e o departamento de Comunicação e Educação Corporativa do COB. General Heleno havia chegado ao cargo por convite de Nuzman.


 

Veja também

Seleção brasileira de rugby lança websérie com equipe feminina
Rugby

Seleção brasileira de rugby lança websérie com equipe feminina

Palmeiras goleia Corinthians e acaba com série invicta do rival
Campeonato Brasileiro

Palmeiras goleia Corinthians e acaba com série invicta do rival