COI se reúne para discutir coronavírus a cinco meses de Tóquio

Dúvida sobre a realização dos jogos será o principal ponto da reunião que ocorre nestas terça e quarta-feira, na Suíça

Olimpíada de 2020 corre risco de ser adiadaOlimpíada de 2020 corre risco de ser adiada - Foto: KAZUHIRO NOGI/AFP

A pergunta inevitável do momento é se os Jogos de Tóquio 2020 estão ameaçados pelo coronavírus, que já causou mais de 3000 mortes no mundo. A dúvida paira há semanas e será o principal ponto de uma reunião do Comitê Olímpico Internacional (COI) na terça-feira (3) e na quarta (4) em Lausanne, na Suíça.

O presidente da entidade, Thomas Bach, estava otimista na sexta-feira, garantindo que o "COI está completamente determinado a celebrar com sucesso os Jogos de Tóquio a partir de 24 de julho", e até 9 de agosto.

"A prioridade no momento é assegurar que os processos de classificação (para os Jogos) sejam desenvolvidos, garantindo a proteção da saúde dos atletas", acrescentou.

Outro membro eminente do COI, o canadense Dick Pound, indicou horas antes à AFP que sua instituição não considera adiar ou cancelar os Jogos, embora não receba indicação nesse sentido da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Possibilidade de portões fechados

Sem apresentar um calendário preciso, o ex-nadador de 77 anos e integrante mais velho do COI, acrescentou que "a qualquer momento, seja dois meses ou um mês, alguém terá que dizer 'Sim' ou 'Não'" sobre a disputa dos jogos.

Atletas e federações nacionais e internacionais estão preocupados. Várias provas classificatórias para os Jogos programadas para ocorrerem na China, onde surgiu a epidemia, foram adiadas ou realocados, assim como na Coreia do Sul.

Outros eventos deveriam ser realizados no Japão antes dos Jogos e já estão ameaçados, como os 'eventos-teste' de natação, pólo aquático e saltos ornamentais, organizados pela Federação Internacional de Natação (Fina).

As provas de ginástica artística e rítmica, organizadas em conjunto com a Federação Internacional de Ginástica (FIG), estão agendadas de 4 a 6 de abril e podem ser realizadas com portões fechados.

Leia também:
Coronavírus: brasileiro e outros três da Renault ficam em quarentena
Coronavírus faz brasileiros abrirem mão de torneio


"Muitas federações estão confusas", disse o chefe de uma federação internacional que prefere permanecer anônimo. "Recebemos informações do COI em relação à saúde, mas não sobre o aspecto esportivo", no momento em que vários torneios pré-olímpicos ainda precisam ser disputados.

Só guerras causaram cancelamento


"Os comitês nacionais olímpicos e as federações internacionais foram informados sobre a posição do COI e de nossa comunicação com a mídia", disse um porta-voz do COI à AFP.

Diante das crescentes preocupações, cada declaração de Bach na terça e na quarta-feira será amplamente analisada.

O coronavírus também será o tema central da videoconferência de quarta-feira realizada pelo comitê organizador dos Jogos de Tóquio e pelo presidente da comissão de coordenação, o australiano John Coates.

Até o momento, nem boicotes (em Moscou-1980 e Los Angeles-1984) nem o vírus Sras (2003) ou o Zika (antes dos Jogos do Rio-2016) causaram a suspensão ou o adiamento dos Jogos Olímpicos.

Somente as guerras mundiais causaram o cancelamento dos Jogos. Primeiro os que estavam planejados para Berlim, em 1916. Em 1940, foram suspensos os de Sapporo (inverno) e de Tóquio (verão), e em 1944 os de Cortina d'Ampezzo (inverno) e de Londres (verão).

Os Jogos de Paris de 2024 também serão discutidos na reunião do COI. Na terça-feira, Tony Estanguet, presidente do comitê organizador, fará uma apresentação das instalações, antes da validação formal de Taiti como sede das provas de surf.

Veja também

Com 21% de chance de queda, Sport encara sequência que lhe deu apenas quatro pontos no 1º turno
Sport

Com 21% de chance de queda, Sport encara sequência que lhe deu apenas quatro pontos no 1º turno

Comitê Olímpico Francês cita condições "extremamente difíceis" para atletas que não se vacinarem
Olimpíadas

Comitê Olímpico Francês cita condições "extremamente difíceis" para atletas que não se vacinarem