Com tenistas em baixa, Brasil encara Colômbia na Copa Davis

Os jogos da Davis serão disputados sexta (6) e sábado (7), na cidade colombiana de Barranquilla, sobre o piso duro e descoberto

Treino do Brasil para a Copa DavisTreino do Brasil para a Copa Davis - Foto: Mattheus Joffre/CBTênis

No confronto Brasil x Colômbia, que dará ao vencedor a chance de disputar uma vaga no grupo mundial da próxima Copa Davis, retrospecto (8x0 para os brasileiros) e posição dos tenistas no ranking mundial dizem pouco sobre o que pode acontecer dentro de quadra.

Os jogos serão disputados sexta (6) e sábado (7), na cidade colombiana de Barranquilla, sobre o piso duro e descoberto. SporTV e Bandsports anunciaram transmissão para os dois dias a partir das 17h.

Leia também
Geração preciosa do tênis brasileiro em lapidação
Federer vence e se torna mais velho número 1 do tênis

A equipe brasileira será formada por Thiago Monteiro (125º do ranking), Guilherme Clezar (234º), João Pedro Sorgi (359º), além dos duplistas Marcelo Melo e Marcelo Demoliner. Assim como no confronto anterior, contra a República Dominicana, Thomaz Bellucci, Rogerinho e Bruno Soares são desfalques.

O time colombiano terá Daniel Galán (257º), Santiago Giraldo (290º), Alejandro Gonzalez (305º) e os duplistas Juan-Sebastian Cabal e Robert Farah.

Se os resultados dos adversários nos jogos de simples não assustam, o momento dos brasileiros tampouco inspira confiança. Monteiro, número um do país na ausência de Rogerinho, vem de seis derrotas consecutivas. A sequência negativa começou após uma boa campanha em Quito, quando fez semifinal.

Clezar, 25 anos, e Sorgi, 24, possuem pouca experiência e resultados empolgantes, em que a pese a vitória heroica de Sorgi no ponto decisivo diante dos dominicanos.
Do outro lado, o experiente Giraldo, de 30 anos, já foi número 28 do mundo. Ele volta após meses afastado por lesão. Galán, 21 anos, ainda não possui resultados expressivos como profissional. Na semana passada, porém, venceu em sets diretos Thomaz Bellucci em um torneio challenger mexicano.

Nas duplas, que muitas vezes é um ponto quase garantido para o Brasil, a Colômbia desta vez leva vantagem -ao menos em tese. Cabal e Farah jogam juntos no circuito e formam a terceira melhor parceria do ano. Melo e Demoliner, além de não atuarem lado a lado regularmente, não fazem uma grande temporada até aqui.

O mineiro mantém a posição de número um no ranking, mas forma com o polonês Lukasz Kubot apenas a nona melhor parceria de 2018. O gaúcho, sem parceiro fixo, é o 55º colocado no ranking.

As expectativas são de um confronto aberto, com boas chances de decisão no quinto -e sempre sofrido- jogo. Placar de 3x0 para qualquer um dos lados me deixaria surpreso.

Sexta (6)
17h
Santiago Giraldo x Thiago Monteiro
Daniel Galán x Guilherme Clezar

Sábado (7)
17h
Juan-Sebastian Cabal e Robert Farah x Marcelo Melo e Marcelo Demoliner
Daniel Galán x Thiago Monteiro
Santiago Giraldo x Guilherme Clezar

Veja também

GPs fora de época fazem F1 se adaptar a frio incomum
Automobilismo

GPs fora de época fazem F1 se adaptar a frio incomum

Federação francesa paralisa torneios após lockdown; liga nacional segue
Coronavírus

Federação francesa paralisa torneios após lockdown; liga nacional segue