Confederação de Basquete segue suspensa pela Fiba

Federação Internacional estabeleceu 21 de junho como prazo para nova reunião sobre a situação do País

Seleção masculina de basquete em ação na Rio-2016Seleção masculina de basquete em ação na Rio-2016 - Foto: Alaor Filho/Exemplus/COB

Suspensa pela Federação Internacional de Basquete (Fiba) em novembro do ano passado por causa de deficiências em sua gestão, a Confederação Brasileira de Basquete (CBB) teve a punição mantida após congresso realizado em Hong Kong. O anúncio da decisão aconteceu nesta quarta-feira (03), em nota oficial publicada no site da Fiba. 

Sob novo comando, agora gerida por Guy Peixoto, a CBB tenta se recuperar de uma gestão complicada sob a batuta de Carlos Nunes. O legado deixado por ele é o pior possível. Na semana passada, a Fiba fez inspeções na CBB e, na nota divulgada, reconheceu os esforços da nova gestão, mas optou por manter a suspensão, ao menos, até o dia 21 de junho, prazo estabelecido para a CBB atualizar as medidas visando obter mudanças concretas para reverter a crítica situação da entidade. A sanção mantém o Brasil fora de qualquer evento internacional até o final de julho, tendo a Fiba Américas que indicar seleções para substituir o País nesses compromissos. A meta da CBB é conseguir reverter a pena na reunião do dia 21 de junho para, assim, poder participar da Copa América, que tem início marcado para o dia 25 de agosto.

Todos os motivos apontados pela Fiba para justificar a suspensão do Brasil estão diretamente ligados à falta de profissionalismo e ética da gestão anterior da CBB, comandada por Carlos Nunes. Afundada em dívidas milionárias, a entidade foi notificada pela ausência de equipes nacionais em torneios internacionais, a exemplo do Mundial de 3x3 e do Sul-Americano sub-15, fora a falta de medidas voltadas para a capacitação profissional e a ingerência da modalidade como um todo.

O basquete brasileiro vinha dando sinais de colapso há algumas temporadas, mas a gota d’água veio em 2014, quando a seleção masculina teve de pagar por um convite para jogar o Mundial. Sem quitar o débito com a Fiba, correu o risco de ficar fora de competições importantes, como os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. A situação descortinou os problemas internos da CBB, que foi ladeira abaixo nos anos seguintes, incluindo campanhas pífias na Olimpíada dentro de casa.

 

Veja também

Sport promove primeira Copa de Basquete Feminino
Basquete

Sport promove primeira Copa de Basquete Feminino

Destaque contra o Bahia, Ewerthon vê Sport se livrando da queda: 'vamos ganhar três ou quatro'
Sport

Destaque contra o Bahia, Ewerthon vê Sport se livrando da queda: 'vamos ganhar três ou quatro'