Confira os perigos do Sampaio, rival do Náutico na final da Série C

Sampaio já foi três vezes campeão nacional, faturando as Séries B (1972), C (1997) e D (2012)

Sampaio Corrêa terá a vantagem de decidir em casaSampaio Corrêa terá a vantagem de decidir em casa - Foto: Lucas Almeida/Sampaio Corrêa

Almejando conquistar seu primeiro título na história fora do eixo Norte-Nordeste, o Náutico terá pela frente um time experiente em levantar troféus nacionais. Campeão das Séries B (1972), C (1997) e D (2012), o Sampaio Corrêa busca sua segunda taça na competição e quarta do Brasileiro. Conheça os perigos que o Tubarão oferecerá ao Timbu na decisão da terceira divisão.

O Sampaio estava no Grupo A, o mesmo do Náutico, terminando em segundo lugar, justamente abaixo do Timbu. Nas quartas de final, o time empatou em 0x0 com o São José/RS, na ida, vencendo na volta por 3x2. Nas semifinais, perante o Confiança, vitórias em Sergipe (2x0) e no Maranhão (1x0). O desempenho deu ao clube a vantagem de decidir a segunda partida da final da Série C em casa.

Ao todo, em 22 jogos, o Sampaio venceu 12, empatou cinco e perdeu cinco, com aproveitamento de 62,1%. Em casa, o Tubarão soma sete triunfos, dois empates e duas derrotas. Fora, ganhou cinco, empatou três e foi derrotado outras três vezes. A equipe marcou 28 gols e sofreu 21. O artilheiro do clube é o atacante Salatiel, com sete bolas na rede.

Leia também:
Lesão, retorno ao lar e acesso: Diego comemora sequência no Náutico
Náutico divulga preço dos ingressos para final da Série C


Contratado em junho deste ano, no final do primeiro turno, o técnico João Brigatti pegou o Sampaio na sexta posição do Grupo A. Assim que chegou, ele engatou uma sequência de seis partidas sem derrotas, com cinco vitórias e um empate, recolocando os maranhenses no G4. Outro mérito do treinador foi utilizar bem opções que antes estavam sem espaço na equipe.

O meia-atacante Esquerdinha, que sofreu com muitas lesões durante a temporada, virou titular após a saída de João Paulo para o Londrina. Vitor, então reserva, pegou a vaga do zagueiro Paulo Sérgio e manteve-se na defesa nas últimas três rodadas, ajudando a Bolívia Querida a passar as semifinais sem sofrer gols.

Essa não será a primeira vez que o Sampaio Corrêa encontrará um pernambucano na final da Série C. Em 2013, o time decidiu o título do torneio diante do Santa Cruz, ficando com o vice-campeonato. Assim como as recordações não são as melhores, o retrospecto diante do Náutico em 2019 também é ruim. Os alvirrubros venceram os dois jogos na fase de grupos - 2x0 no Castelão e 2x1 nos Aflitos. Ao todo, os clubes já se encontraram 16 vezes, com ampla vantagem do Timbu. São nove vitórias, quatro empates e três derrotas.

Veja também

Hélio cobra intensidade do Náutico em estreia no Estadual
Futebol

Hélio cobra intensidade do Náutico em estreia no Estadual

Em recuperação, Alonso não poderá participar da apresentação da Alpine
Fórmula 1

Em recuperação, Alonso não poderá participar da apresentação da Alpine