Copa do Catar tem promessa de luxo e muitas novidades

Sede de 2022, o Catar está construindo sete estádios do zero, além de uma nova cidade que será o palco da final

Contagem para a Copa do Catar já foi iniciadaContagem para a Copa do Catar já foi iniciada - Foto: Jewel Samad/AFP

Se a Rússia de Vladimir Putin usou a Copa como vitrine política em um momento de isolamento internacional, há uma expectativa sobre o que vai acontecer na próxima sede do Mundial, o Catar. Além de ter de lidar com acusações de que sua escolha como anfitrião foi comprada e de que usa trabalho desumano para erguer elefantes brancos no deserto, o pequeno emirado no Golfo Pérsico está imerso em uma enorme crise diplomática.

Leia mais:
É hora de se programar para Copa no Catar em 2022
Catar pode se opor à Copa do Mundo com 48 seleções
Catar gasta $500 milhões de dólares por semana na preparação para Copa-2022

Em junho do ano passado, a Arábia Saudita rompeu laços diplomáticos e decretou boicote comercial com o vizinho, sendo acompanhada por outros 11 países - inclusive no entorno regional, como os Emirados Árabes Unidos. O motivo alegado foi o apoio catariano a organizações terroristas, em especial na guerra civil síria. Não só: Doha tem um escritório do Taleban afegão e laços conhecidos com diversos grupos jihadistas.

A questão é que se há um lugar que fomenta ideologia extremista no mundo muçulmano é justamente a Arábia Saudita, berço do ramo wahhabista do sunismo. E o Catar sempre mordeu e assoprou na questão, tendo laços sólidos com os EUA, que mantêm no país sua maior base aérea no Oriente Médio.

A ambiguidade que irritou os sauditas é outra: a aproximação do emirado com o Irã, o maior rival geopolítico de Riad na disputa pelo posto de potência regional dominante. É uma rivalidade também religiosa. A Arábia Saudita sedia as duas cidades mais sagradas do islamismo e se sente uma líder natural do ramo majoritário da crença, o sunismo.

Já Teerã é o centro mundial do xiismo, professado por cerca de 15% dos aderentes da fé muçulmana. Além de discordâncias doutrinárias e sobre a linha de sucessão do profeta Maomé, o centro da disputa hoje é política. Há outros focos de tensão. Quando houve a sequência de revoltas que derrubaram autocracias em 2011, a chamada Primavera Árabe, o Catar deu apoio a grupos que tentaram fazer o mesmo no reino vizinho - sem sucesso.

A rede de TV Al Jazeera é a mais influente do mundo árabe, e tem sede em Doha. É vista como instrumento político do emirado pelos vizinhos. Alguns países já reataram laços diplomáticos, mas o principal efeito do boicote ainda se faz sentir: o bloqueio aéreo, terrestre e naval dos vizinhos. Com isso, uma das maiores empresas aéreas da região, a Qatar Airways, patrocinadora da Fifa, teve de redirecionar muitas de suas rotas - que passavam por espaço aéreo da Arábia Saudita, do Egito e dos Emirados Árabes, por exemplo.

O voo São Paulo-Doha chegou a ganhar uma escala, mas agora já é feito diretamente por uma rota tortuosa sobre o Mediterrâneo, Turquia e águas internacionais do Golfo Pérsico. O jovem emir do Catar, Tamim bin Hamad al Thani, de 38 anos, terá agora quatro anos para ver a crise resolvida ou usar a imensa riqueza baseada em petróleo e gás de seu país e bancar o espetáculo apesar dela.

   Novidades

Pela pequena extensão territorial (11,571 mil quilômetros quadrados), o Catar tem usado como atrativo a proposta de que o torcedor poderá assistir a até dois jogos ou mais do Mundial por dia. Isso porque a maior distância entre os estádios será de 55 quilômetros, entre Al Khor, que fica ao norte, e Al Wakrah, no sul do território - é inferior à distância entre o Bairro do Recife e a praia de Porto de Galinhas, por exemplo. Vai ser possível até fazer deslocamentos a pé. Do Khalifa Stadium ao Qatar Foundation, a distância é de somente 4,5 quilômetros.

Por enquanto, o a sede do Mundial de 2022 é um enorme canteiro de obras. A proposta, contudo, é entregar todas as estruturas, tanto estádios, quanto intervenções de mobilidade e hoteis, até 2020. Entre as curiosidades da Copa no Catar está a primeira experiência em estádios climatizados. Sim, para superar o forte calor da área desértica. Serão oito estádios, dos quais somente um está sendo reformado. Os demais estão sendo erguidos do zero.

A expectativa os organizadores é receber cerca de 500 mil pessoas e, justamente por essa demanda, estão sendo tratadas estratégias para abrigar tanta gente. Novos hoteis estão sendo erguidos e a hospedagem em cruzeiros será uma das opções. A Copa no Catar acontecerá entre 21 de novembro e 18 de dezembro, uma novidade no calendário para fugir do severo verão na região, quando a temperatura chega a 50ºC.

   Cidade criada para a final

A final da Copa do Catar está prevista para acontecer em Lusail, uma cidade de 250 mil habitantes próxima à capital, Doha. O detalhe é que Lusail é uma cidade que ainda não existe. O investimento para isso é em torno de US$ 45 bilhões. Vale lembrar que o Catar é dono do maior PIB do mundo, tendo como principais fontes de renda reservas de gás natural e excelentes jazidas de petróleo.

 

Veja também

Dinamarquês Eriksen está consciente após cair desacordado em jogo da Eurocopa
Esportes

Dinamarquês Eriksen está consciente após cair desacordado em jogo da Eurocopa

Jogo entre Dinamarca e Finlândia é interrompido após o meia Christian Eriksen desmaiar em campo
Esportes

Jogo entre Dinamarca e Finlândia é interrompido após o meia Christian Eriksen desmaiar em campo