Corinthians repudia detenção de torcedor por protesto

Em nota publicada no site oficial do clube, o Corinthians classifica o caso como "um grave atentado às liberdades individuais do Estado Democrático de Direito"

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR

O Corinthians repudiou a ação da Polícia Militar de deter um torcedor por protestos contra Jair Bolsonaro no clássico do último domingo (4) contra o Palmeiras, em Itaquera.

Em nota publicada no site oficial do clube, o Corinthians classifica o caso como "um grave atentado às liberdades individuais do Estado Democrático de Direito".
O corintiano Rogério Lemes, 44, foi retirado pela Polícia Militar da arquibancada durante a execução do hino nacional, ainda antes do início da partida. Lemes gritou por mais de uma vez "ei, Bolsonaro, vai tomar no cu" e foi abordado pelos policiais, que o retiraram do setor.

Leia também:
Entre vaias e aplausos, Bolsonaro tira foto no gramado
Tite critica pontaria do ataque e minimiza vaias
No Mineirão, Bolsonaro encontra Neymar e aparece no campo para saudar torcida

O torcedor disse à Folha de S.Paulo que foi agredido na condução ao posto do Juizado Especial Criminal (Jecrim) e que só pôde voltar à arquibancada a 10 minutos do final do jogo, que terminou empatado em 1 a 1, válido pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo disse em nota que a retirada do corintiano foi "adotada para preservar a integridade física do torcedor, que proferia palavras contra o presidente da República, o que causou animosidade com outros torcedores, com potencial de gerar tumulto e violência generalizada".

Confira o comunicado do Corinthians na íntegra:
"A Arena e o Sport Club Corinthians Paulista vêm a público repudiar o episódio que resultou na detenção do torcedor Rogério Lemes Coelho durante o jogo ocorrido no último domingo (04) contra o Palmeiras na Arena Corinthians, após sua manifestação contra o Presidente da República. O clube historicamente reitera seu compromisso com a democracia e a defesa do direito constitucional de livre manifestação, desde que observados os princípios da civilidade e da não violência. A agremiação lembra que diferentes autoridades, entre elas o presidente do clube, já foram alvo de manifestações da torcida durante os mais variados eventos esportivos realizados no local e o episódio caracteriza-se como um grave atentado às liberdades individuais no Estado Democrático de Direito."

Veja também

Uefa analisa Liga dos Campeões com mínimo de 10 jogos por time
Liga dos Campeões

Uefa analisa Liga dos Campeões com mínimo de 10 jogos por time

Após ganhar fôlego, Corinthians busca novo salto no Brasileiro
Futebol

Após ganhar fôlego, Corinthians busca novo salto no Brasileiro