Corinthians: sinônimo de liderança e invencibilidade

Timão tem recordes particulares na temporada, mesmo sem um grande elenco em campo

Líder da Série A, Corinthians prima pela objetividade com a bolaLíder da Série A, Corinthians prima pela objetividade com a bola - Foto: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

Imaginar um outro cenário, que não seja o de um Corinthians campeão, ao final das 38 rodadas da Série A do Campeonato Brasileiro, tem se tornado cada vez mais difícil. Os céticos em uma eventual queda da equipe tem crescido na mesma escala de velocidade que a equipe acumula pontos na competição. E ao final do primeiro turno, o monopólio alvinegro ficou bastante evidente, justificado, inclusive, pelos números de sua particular campanha. Para se ter uma ideia, a sensação que se tem é que não existe topo algum que o Timão não está inserido. O Corinthians, desta temporada, virou sinônimo de liderança e invencibilidade.

Os 82,5% de aproveitamento alcançado na Série A de 2017 aconteceram graças a 14 vitórias e cinco empates, em 19 jogos disputados. Este número também coloca o Timão como o clube de melhor aproveitamento em um turno na era do pontos corridos (ou seja, desde 2003). A marca anterior pertencia ao Palmeiras, que no segundo turno do ano passado alcançou 44 pontos. A perfeição de seu trajeto, até aqui, é traduzido também em outros quesitos. O Corinthians tem o maior número de vitórias entre os seus rivais; tem a melhor defesa, com apenas nove gols sofridos; é o melhor mandante, com sete vitórias e três empates (24 pontos); melhor visitante, também, com sete vitórias e dois empates (23 pontos); de quebra, tem o artilheiro da competição: Jô, com 11 gols.

O Grêmio tem despontado como a única equipe a manter certa “cola” do líder Corinthians. Os gaúchos, no entanto, estão há oito pontos dos paulistas. São deles também a única marca que supera o Timão na Série A: no quesito gols marcados, o placar é 35x32. Apesar de ter o segundo melhor ataque da competição, não é no poder de fogo que a equipe de Fábio Carille tem se notabilizado. O fato é que a força tática do time tem feito à diferença.

Fábio Carille tem mesclado o Corinthians entre o 4-1-4-1 e o 4-2-3-1. É desta forma que o Timão vem surpreendendo, com um futebol eficiente, solidez defensiva e velocidade nas jogadas ofensivas. Isso explica o fato de seis, das 19 partidas, terem terminado com o placar de 1x0. Justifica também o fato de que em oito jogos os alvinegros marcaram apenas um gol. E em 13 confrontos, nenhum tento foi anotado por adversários na competição.

Para se ter uma ideia, os jogadores do Timão, versão, 2017 não são tão bons, individualmente, como eram os de outras temporadas – como nos tempos de Tite. Mas um coletivo forte os faz jogarem até melhor. E para isso, uma maior posse de bola que qualquer adversário tem significado pouco. Estrelas? Poucas. Os destaques da equipe estão concentrados nos nomes de Rodriguinho, Cássio, Balbuena, Pablo, Guilherme Arana e o próprio Jô. 

Veja também

Eslovênia acusa comitê organizador do Mundial de Handebol de servir comida estragada
Handebol

Eslovênia acusa comitê organizador do Mundial de Handebol de servir comida estragada

Com 21% de chance de queda, Sport encara sequência que lhe deu apenas quatro pontos no 1º turno
Sport

Com 21% de chance de queda, Sport encara sequência que lhe deu apenas quatro pontos no 1º turno