Coutinho minimiza dores de Neymar espera Costa Rica agressiva

Autor do único gol da Seleção na Copa até aqui, Coutinho frisou ainda a importância do jogo coletivo para a equipe

Philippe Coutinho, uma das peça da Seleção na CopaPhilippe Coutinho, uma das peça da Seleção na Copa - Foto: Lucas Figueiredo/CBF

O atacante Philippe Coutinho, de 26 anos, minimizou a saída de Neymar mais cedo no treino desta terça-feira (19), em Sochi. O Camisa 10 da Seleção Brasileira deixou a atividade após sentir dores no tornozelo direito. Ele sentiu dores no local quando participava de uma roda de bobinho com Willian, Miranda, Thiago Silva, Coutinho e Paulinho. O atacante estava no meio da roda e tentou interceptar um toque quando sentiu o incômodo.

Demonstrando dor, tentou continuar na atividade e deu mais quatro toques na bola, sendo três com o pé direito e um com o esquerdo. Na sequência, deu um bico na bola com o pé esquerdo demonstrando irritação e deixou o treino mancando acompanhado do fisioterapeuta Bruno Mazziotti. Segundo a assessoria da Seleção, Neymar sentiu dores no tornozelo direito em razão das pancadas que recebeu na partida de estreia contra Suíça.

"Eu vi o que vocês viram. Não conversei com ele depois. Hoje, era um treino de recuperação. Já estava quase no final. Ele deve ter sentindo um pouco de dor, mas isso é normal", disse Coutinho, elogiando o jogador do Paris Saint-Germain. Neymar havia sentindo dores no tornozelo direito já no domingo (17), quando o Brasil empatou com a Suíça por 1x1. Ele sofreu o maior número de faltas por um único atleta em uma mesma partida de Copa do Mundo desde 1998. Foram 10 infrações em cima do jogador do Paris Saint-Germain.

Leia também:
Coutinho é eleito o melhor jogador do Brasil na estreia
Neymar muda corte de cabelo após empate com a Suíça
Empate com Suíça foi primeira estreia do Brasil sem vitória em Copas em 40 anos

Antes do brasileiro, o mais caçado em campo foi inglês Alan Shearer, no Mundial disputado na França. Na ocasião, ele sofreu 11 faltas na vitória por 2x0 contra a Tunísia. "Neymar é muito visado, recebe muitas faltas, muitas pancadas. Claro que nosso forte é o coletivo. Um jogo ou outro, um vai se destacar, mas nosso forte é o coletivo, isso é o mais importante. Cada um fazendo o seu, com sua responsabilidade, no seu setor, para o bem coletivo", acrescentou Coutinho.

Na entrevista desta terça-feira, o Camisa 11 da Seleção afirmou que espera o mesmo comportamento da Costa Rica no jogo programado para a sexta-feira (22), às 9h (horário de Brasília), em São Petesburgo. "Com certeza eles vão bater. É Copa do Mundo, temos jogadores rápidos na frente. O árbitro vai estar ligado neste jogo", disse.

Coutinho também analisou a atuação da Seleção Brasileira na primeira rodada. De acordo com o jogador, a equipe ficou muito presa do lado esquerdo do campo.
"Poderíamos trabalhar mais a bola dos dois lados. Faltou usar o lado direito nosso, que é muito forte. Podíamos ter virado mais o jogo. A gente quer atacar, criar jogada. Precisamos ter esse equilíbrio que o Tite fala. Criamos bastante, mas poderíamos ter finalizado melhor também. Não jogamos como vínhamos jogando durante as eliminatórias", completou.

Veja também

Brasil perde para EUA na semifinal da Copa América de Basquete
BASQUETE

Brasil perde para EUA na semifinal da Copa América de Basquete

Novo estatuto do Santa Cruz entra em vigor
Futebol

Novo estatuto do Santa Cruz entra em vigor