A-A+

Cúpula do Flamengo se esquiva sobre Ninho e vive pior crise 1 ano após tragédia

Pouco tempo após ser muito festejada pelos resultados em campo no final de 2019, a diretoria do Flamengo encara sua pior crise nos últimos meses

Incêndio no Ninho do UrubuIncêndio no Ninho do Urubu - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Pouco tempo após ser muito festejada pelos resultados em campo no final de 2019, a diretoria do Flamengo encara sua pior crise nos últimos meses. E o motivo está fora das quatro linhas: as ações - ou falta delas- na semana que marcou um ano do trágico incêndio que matou dez jovens no CT Ninho do Urubu.

A estratégia de evitar entrevistas, se esquivar de respostas objetivas sobre a falta de acordo com a maior parte das famílias das vítimas e tratar os mesmos como inimigos de tribunal incomodou até mesmo a torcida rubro-negra.

E a decisão de barrar familiares que pretendiam fazer uma oração dentro do Ninho do Urubu no último sábado fez a onda de críticas alcançar um público ainda maior.
"Eu vim acender uma vela para o Jorge e parece que estou aqui para aparecer. É humilhante", reclamou Simone, tia de Jorge Eduardo, uma das vítimas fatais.
"Por que foram lá sem marcar?", rebateu o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim.

Os questionamentos vinham de todos os lados e apontavam uma falta de sensibilidade diante de famílias que viram adolescentes perderem suas vidas.
O domingo (dia 9) um dia após a data de um ano da tragédia foi simbólico. À tarde, as principais organizadas do clube convocaram uma manifestação cobrando respostas da diretoria rubro-negra. No início da noite, em um dos programas de maior audiência da TV aberta, o apresentar da Globo Faustão fez duras críticas ao comportamento do clube, sempre apegado ao debate jurídico e de valores de indenização.

Leia também:
Incêndio no Ninho do Urubu faz um ano; CPI ouve familiares de vítimas
Flamengo barra familiares de vítimas de incêndio em dia de homenagem no CT
'Não espero mais nada', diz pai de vítima de fogo no CT do Flamengo sobre o clube

Nos corredores da Gávea, a postura da cúpula de não encarar de frente questões sensíveis ligadas ao caso e sempre pautar as declarações pelo viés da briga judicial pelas indenizações já não encontra tanto eco. Até mesmo os departamentos de comunicação e marketing se opõem a tal estratégia. Nada, no entanto, que faça o trio formado por Landim, o vice-presidente de relações externas, Luiz Eduardo Baptista, e o CEO do clube, Reinaldo Bellotti, mudar de ideia. São eles os responsáveis pela escolha de posicionamento diante do caso.

Veja também

SDS garante presença de segurança pública nos estádios
Futebol

SDS garante presença de segurança pública nos estádios

Pregando discurso apaziguador, presidente interino e CEO são apresentados no Arruda
Futebol

Pregando discurso apaziguador, presidente interino e CEO são apresentados no Arruda