Futebol

Dal Pozzo elogia espírito da equipe e projeta evolução

Treinador acredita que, em breve, o Náutico vai engatar sequência de triunfos na Série B do Campeonato Brasileiro

Gilmar Dal Pozzo, técnico do NáuticoGilmar Dal Pozzo, técnico do Náutico - Foto: Caio Falcão/CNC/Divulgação

“Espírito de Série B” e “consolidação de trabalho” foram termos usados repetidamente pelo técnico Gilmar Dal Pozzo após o empate em 0x0 do Náutico com o Operário/PR, nos Aflitos, pela segunda rodada da Série B do Campeonato Brasileiro 2020. Se não deu para sair com os três pontos, o Timbu, na visão do treinador, ao menos demonstrou uma atitude que o agradou, servindo de base para projetar uma evolução nos próximos desafios pelo torneio.

“Melhorou o nosso espírito. Conheço muito a Série B. É uma competição forte. O Operário já tem um trabalho de mais de três anos com Gerson, fazendo boas campanhas e com time entrosado. Por isso, eu gostei do nosso espírito. Se tivéssemos tido essa atitude diante do Avaí, nós teríamos somado pontos. Defesa segura, mas ainda em busca da evolução de posse de bola. Não tomamos gols, mas precisamos melhorar do meio para frente para furar o bloqueio do time adversário, criando mais para buscar a vitória”, afirmou.

“Pensamos jogo a jogo. Projetamos uma pontuação para acesso, título e 45 pontos para permanência. Contra o Avaí, nós não tivemos sucesso. Hoje conseguimos um empate. Não posso falar que faltou empenho ou espírito de Série B, mas ainda faltam ajustes. Existe probabilidade grande em algum momento no torneio de encaixar três vitórias para subir na tabela de pontuação. Mas antes queremos consolidar trabalho”, completou.

O treinador também explicou as alterações feitas durante o jogo e a expectativa em contar com mais peças para o decorrer do jogos. Diante do Operário/PR, por exemplo, lateral-esquerdo Willian Simões e o atacante Thiago não jogaram após testarem positivo para a Covid-19. 

“Buscamos alternativas no dia a dia, mostrando na preleção. Jogo foi intenso e demora dois dias para ter a recuperação, para fazer um grande jogo no sábado. Temos um padrão definido, mas estamos perdendo muitas peças de última hora. Simões e Thiago se apresentaram de manhã na concentração e criamos a expectativa de que eles iriam para o jogo, mas veio uma informação da CBF que impossibilitou a participação deles. E também perdemos Jorge Henrique, que pediu para sair por conta de uma fisgada na coxa. Nós queríamos fazer um jogo mais controlado, com ele e Jean como meia. Sem ele, perdemos poder ofensivo de posse de bola. Tive de fazer um jogo mais direto. Coloquei Erick e Dadá no lado de campo para viver mais de jogada individual, verticalizando o jogo. Tive que me virar para buscar solução. Série B é assim mesmo. Temos que consolidar esse passo para colher frutos lá na frente”, declarou.

Para embasar seu pensamento de que o Náutico vai evoluir na Série B, o técnico citou a campanha do clube na Série C de 2019. “Em mais uma semana ou duas, nós teremos a volta de jogadores que vão nos ajudar. Vou para casa satisfeito com a atitude, não com o resultado. Começo a ver uma luz. Usei esse discurso também no ano passado. Falei que queria consolidar trabalho. Quando jogamos contra o Ferroviário e consolidamos o trabalho, a gente venceu o Brasileiro”, finalizou.

 

Veja também

Bombeiros entregam laudos dos estádios da RMR à FPF
Futebol

Bombeiros entregam laudos dos estádios da RMR à FPF

Câmara aprova auxílio emergencial para trabalhadores do esporte
economia

Câmara aprova auxílio emergencial para trabalhadores do esporte