Defesa de Marin pede anulação de júri e quer novo julgamento

Eles alegam que a acusação não tem provas suficientes para determinar a culpa do dirigente nos crimes que cometeu

José Maria Marin já cumpriu 13 meses de prisãoJosé Maria Marin já cumpriu 13 meses de prisão - Foto: YASUYOSHI CHIBA/AFP

Os advogados de José Maria Marin, o ex-presidente da CBF condenado e preso em Nova York há um mês por seu envolvimento no escândalo de corrupção da Fifa, pediram a anulação do veredicto de um júri popular em dezembro e a realização de um novo julgamento para o cartola.

Eles alegam que a acusação não tem provas suficientes para determinar a culpa de Marin nos crimes que cometeu -ele foi condenado por 6 das 7 irregularidades de que era acusado, entre elas organização criminosa, fraude financeira e lavagem de dinheiro em relação aos contratos de direitos de transmissão dos campeonatos Copa América, Copa do Brasil e Libertadores pela televisão.

No recurso entregue à juíza do caso, Pamela Chen, a defesa de Marin ainda pede que seja levado em consideração o fato de que no Brasil os crimes pelos quais foi condenado não são considerados atividades ilícitas, em especial o de organização criminosa, que não tem equivalente no Código Penal brasileiro.

Esse mesmo argumento, no entanto, já havia sido usado no Tribunal Federal do Brooklyn, onde o julgamento de Marin e outros dois réus no caso Fifa se estendeu por novembro e dezembro do ano passado, e foi rechaçado pela juíza, que alegou que uma defesa com base em leis de outros países só confundiria os jurados e faria com que talvez não respeitassem a lei.

Julio Barbosa, advogado que integra o time de defesa de Marin, havia dito que esse seria o principal argumento de um eventual recurso contra a decisão na saída do tribunal no dia em que o cartola acabou sendo condenado.

No recurso, primeiro noticiado pelo site "BuzzFeed", a defesa de Marin ainda alega que mesmo testemunhas-chave do julgamento, como Alejandro Burzaco, da firma argentina Torneos y Competencias, e J. Hawilla, da Traffic, não deram provas cabais de que o cartola havia entrado num acordo para receber os pagamentos ilícitos.

Eles dizem, com relação à Copa Libertadores, que Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF e ocupante do posto antes de Marin, recebeu a propina e que há dúvidas sobre o destino do dinheiro desviado dos contratos da Copa América e da Copa do Brasil.

"Marin só assinou o contrato, não há nenhuma indicação que ele tenha entrado num acordo para receber algo em troca de sua assinatura", diz um trecho do recurso, sobre a venda dos direitos da Copa América para a TV.

O cartola está detido no maior presídio federal de segurança máxima dos Estados Unidos, no bairro do Brooklyn, em Nova York, desde a véspera do último Natal.

Seus advogados esperam que, com o recurso, Marin tenha a pena atenuada ou consiga passar para a prisão domiciliar em seu apartamento de luxo na Trump Tower, em Manhattan. Se o julgamento não for anulado, sua sentença será anunciada em abril -ele pode pegar até 120 de prisão por seus atos criminosos. 

Veja também

Conmebol agenda volta da Libertadores para 15 de setembro
Libertadores

Conmebol agenda volta da Libertadores para 15 de setembro

Em protesto, Henry se ajoelha por tempo igual ao da asfixia de George Floyd

Em protesto, Henry se ajoelha por tempo igual ao da asfixia de George Floyd