Defesa do Flamengo por gol polêmico será baseada em auxiliar e casos antigos

No fim da noite de ontem, o tribunal solicitou à CBF a suspensão do resultado até a realização do julgamento

Pyewacket - Entidade Maligna Pyewacket - Entidade Maligna  - Foto: Reprodução/ Adorocinema

O Flamengo está pronto para se defender no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) após pedido do Fluminense para a anulação do clássico vencido pelo time rubro-negro por 2 a 1. O clube das Laranjeiras alega que houve interferência externa para que o gol irregular do zagueiro Henrique terminasse invalidado pela arbitragem. O processo só foi aberto após reportagem do programa "Esporte Espetacular", da TV Globo, que realizou uma leitura labial da confusão responsável por paralisar o jogo por 13 minutos.

No fim da noite de segunda (17), o tribunal solicitou à CBF a suspensão do resultado até a realização do julgamento e a tendência é a de que ocorra em três semanas. O clube da Gávea será representado pelo advogado Michel Asseff Filho e uma das pontas da defesa está baseada na atuação do auxiliar Emerson Augusto de Carvalho, que anulou o gol imediatamente e manteve a convicção. Além disso, casos antigos, como o envolvendo Internacional x Palmeiras no Brasileiro de 2012 também serão abordados. No exemplo em questão, o clube alviverde pediu a impugnação da partida ao alegar interferência externa depois que o gol assinalado pelo atacante Barcos terminou anulado pela arbitragem. O tento foi marcado com o auxílio da mão e os paulistas sustentaram que o trio só tomou a decisão após conversar com o delegado da partida. O STJD negou o pedido de anulação e ressaltou as consequências perigosas de cancelar um resultado de campo neste aspecto.

Procurado pela reportagem, Michel Asseff Filho falou sobre a defesa do Flamengo e questionou a leitura labial como prova do caso. "Uma leitura labial só vale em contexto integral. Em 13 minutos você extrai o que quer. São partes de diálogos. Assim não vale nada. Um ponto fundamental é que o auxiliar sustenta a posição mesmo depois da confusão. O árbitro dirá o que aconteceu. O que estão tentando fazer é validar um gol irregular e que foi invalidado na hora", afirmou. 

Sobre a fala do inspetor de arbitragem Sérgio Santos, que entrou em campo durante a confusão e disse para Sandro Meira Ricci "A TV sabe. A TV sabe que não foi", o advogado do Flamengo comentou. "Estão criando uma situação grande em um fato absolutamente simples. Ouvir informações extracampo não quer dizer que houve interferência externa. Os árbitros ouvem isso o tempo inteiro. Os próprios jogadores colocam pressão, mas o trio de arbitragem decide as coisas lá dentro. Creio que o julgamento será enfrentado dessa forma".

Perguntado se a anulação do jogo seria temerária, conforme o STJD afirmou em casos anteriores, Asseff Filho referendou o tribunal. "A anulação por um gol ilegal pode gerar um precedente muito ruim. Isso é extremamente perigoso", encerrou.

Veja também

Arsenal não inscreve Özil para participar do Campeonato Inglês
Futebol internacional

Arsenal não inscreve Özil para participar do Campeonato Inglês

Na busca por ‘final feliz’, Santa formaliza proposta para renovação de contrato com Pipico
Renovação

Na busca por ‘final feliz’, Santa formaliza proposta para renovação de contrato com Pipico