Esportes

Detido na Bolívia aeroviário ligado à acidente da Chapecoense

Uma investigação das autoridades aeronáuticas colombianas estabeleceu que o avião tinha combustível limitado para fazer o trajeto

Destroços do avião da Lamia, que levava equipe da ChapecoenseDestroços do avião da Lamia, que levava equipe da Chapecoense - Foto: Agência RBS/Folhapress

A Promotoria da Bolívia deteve nesta sexta-feira (20) um funcionário da estatal aeroportuária Aasana por ignorar as falhas do plano de voo do avião da LaMia que caiu na Colômbia com a equipe da Chapecoense. "O Ministério Público ordenou a detenção de Miguel Teodovich Ponce por "ignorar as determinações do manual de funções da Direção Geral da Aeronáutica Civil", assinalou a Procuradoria-Geral em comunicado enviado à AFP.

"Como Supervisor de Trânsito Aéreo da Administração de Aeroportos e Serviços da Navegação Aérea (Aasana), Teodovich ignorou tudo referente ao plano de voo internacional de transporte de passageiros". Teodovich era o chefe da funcionária da Aasana Celia Castedo, que fez observações sobre o plano de voo do avião da LaMia.

Castedo fugiu para o Brasil no início de dezembro, argumentando que seus superiores a pressionaram a mudar o relatório que elaborou após o acidente, no qual informava suas objeções ao voo, o que a tripulação ignorou.

Uma investigação das autoridades aeronáuticas colombianas estabeleceu que o avião tinha combustível limitado para fazer o trajeto entre a cidade boliviana de Santa Cruz e o aeroporto José María Córdova, nos arredores de Medellín.

O governo boliviano estabeleceu que a responsabilidade do acidente foi da empresa LaMia e do piloto Miguel Quiroga, que executou o voo sem observar as normas de segurança, e de uma dúzia de funcionários da Aasana e da estatal Direção Geral de Aeronáutica Civil (DGAC).

Segundo a promotoria, já foram detidos Gustavo Vargas Gamboa, gerente-geral da LaMia, e seu filho Gustavo Vargas Villegas, que se encarregava dos registros aeronáuticos junto à DGAC.

No dia 29 de novembro, o avião BA-146 modelo RJ85 de LaMia caiu nos arredores de Medellín, por pane seca, matando 71 das 77 pessoas a bordo, incluindo 19 jogadores da Chapecoense.

Veja também

Brasil garante bronze no Mundial de futebol de paralisados cerebrais
Futebol (PC)

Brasil garante bronze no Mundial de futebol de paralisados cerebrais

No duelo de pernambucanos, Retrô e Afogados empatam na Arena
Série D

No duelo de pernambucanos, Retrô e Afogados empatam na Arena