Dirigente alvirrubro critica arbitragem, mas nega representação formal junto à FPF

Eduardo Henriques mostrou descontentamento com alguns lances marcados por Péricles Bassols

Jaime e Dudu foram expulsos após confusãoJaime e Dudu foram expulsos após confusão - Foto: Flávio Japa

O árbitro Péricles Bassols deixou o gramado da Arena de Pernambuco, após o Clássico das Emoções entre Náutico e Santa Cruz, com a desaprovação de ambos os clubes. As duas expulsões, os critérios na hora das cobranças de falta e a marcação (ou não) em lances polêmicos foram fatores que irritaram tricolores e alvirrubros na estreia do Hexagonal do Título do Campeonato Pernambucano. Pelo lado do Timbu, quem não poupou críticas ao homem do apito foi Eduardo Henriques, diretor de futebol.

"Começamos o Campeonato Pernambucano com uma péssima arbitragem que deixou os dois lados insatisfeitos. Lembra o que gerou a expulsão? O camisa 9 do Santa (André Luís) deu um tapa sem a bola em Dudu. O nosso jogador reagiu de uma forma que não deveria, mas aquele já tinha sido o segundo tapa de André no jogo. Foi um escândalo. Se ele fosse expulso, mudaria completamente a filosofia da partida. O lance da falta que originou o gol do Santa também não existiu. Sem falar que o árbitro passou o jogo todo com um critério de que a falta só deveria ser batida no lugar. Tentávamos acelerar, mas ele mandava voltar. No lance do gol, o Santa Cruz fez isso e ele não falou nada. Bateram com pelo menos 15 metros de distância", reclamou Henriques.

O dirigente afirmou que o clube vai se reunir com a Federação Pernambucana de Futebol (FPF) para mostrar os lances, mas negou a intenção de fazer uma representação formal contra arbitragem.

"Estamos separando os lances para levar à Federação. Teve um, por exemplo, em que o Anselmo leva um 'rapa' de Elicarlos e o juiz manda seguir. Eli já tinha amarelo. Eu não quero começar o Pernambucano movendo uma ação contra a arbitragem. Vamos conversar com a FPF, manter um diálogo para evitar que isso volte a se repetir", ressaltou.

Ingressos

Eduardo Henriques também comentou a crítica feito pelo vice-presidente do Santa Cruz, Constantino Júnior, com relação ao preço dos ingressos no Clássico das Emoções. O dirigente coral ficou inconformado ao saber que a torcida do Náutico podia pagar um valor promocional, enquanto os tricolores só teriam direito aos bilhetes que custavam R$ 50.

"Acho normal fazer promoção para o meu torcedor. O Santa Cruz não pagou R$ 50 em todos os ingressos. Eles também tinham meia-entrada. Estou tentando ver quantos torcedores pagaram o preço de R$ 25. Sem falar que já jogamos no Arruda e eles também fizeram uma promoção para que o torcedor deles pagasse um valor menor", frisou o diretor alvirrubro.

Veja também

Após debandada, Superliga europeia anuncia que vai 'remodelar projeto'
Superliga

Após debandada, Superliga europeia anuncia que vai 'remodelar projeto'

Empossado, Bivar fala de reforma do estatuto e austeridade financeira
Sport

Empossado, Bivar fala de reforma do estatuto