COLETIVA

Dirigente do Sport diz que PM garantiu segurança no retorno, mas árbitro optou por finalizar jogo

Vasco empatou em 1x1 com o Leão, na Ilha do Retiro, pela Série B, em partida marcada por invasão de campo e pênalti polêmico

Duelo do Leão com o Vasco foi encerrando antes do fim com o placar em 1x1, na Ilha do RetiroDuelo do Leão com o Vasco foi encerrando antes do fim com o placar em 1x1, na Ilha do Retiro - Foto: Alexandre Aroeira / Folha de Pernambuco

O vice-presidente de futebol do Sport, Augusto Carreras, fez um pronunciamento oficial sobre a confusão envolvendo o duelo do Leão com o Vasco, encerrando antes do fim com o placar em 1x1, na Ilha do Retiro, pela Série B do Campeonato Brasileiro. O dirigente criticou a arbitragem e a postura dos atletas do Vasco, em especial Raniel, autor do gol que provocou a torcida rubro-negra, que invadiu o campo e gerou uma confusão. Segundo Carreras, a polícia garantiu a segurança para o retorno da partida, mas o árbitro Raphael Claus optou pelo encerramento do duelo.

“O árbitro alegou que não teria condições de ter segurança, mas quem garante isso é a polícia militar. Ela afirmou que havia segurança para retomar o jogo. O time do Vasco imediatamente correu para dentro do vestiário. Não queriam mais o jogo. O árbitro acaba o jogo tendo somente o Sport em campo. Fez isso sem chamar os capitães dos times. Nem coragem para isso ele teve. Ele alegou que não tinha mais segurança para voltar. O Sport não compactua com o comportamento dos torcedores que invadiram, mas eles foram provocados. É lamentável. Vamos analisar junto ao jurídico que situações podem ser tomadas”, frisou.

“Imaginávamos um jogo tranquilo, com atletas que queriam jogar bola. Sport e Vasco fazem jogo de Série A. Com torcida, equilíbrio, qualidade. Mas não é fácil fazer futebol no Nordeste”, continuou o dirigente. “Jogávamos no sábado, contra o Londrina, e o Vasco na sexta. Por solicitação do Vasco, a CBF transferiu o jogo para o sábado. Questionamos isso porque, do ponto de vista legal, não tinha problema, mas esportivo, sim. Eram dois times que iam brigar (pelo acesso)”.

“Tivemos possíveis pênaltis que o VAR não chamou. Aí aos 44, o árbitro viu com clareza o lance, mas o VAR chama e ele volta atrás. Quando ele volta a campo e marca o pênalti, você vê o constrangimento dele. Não tenho medo de dizer que o árbitro fez questão de afirmar que não foi pênalti no momento. Um árbitro Fifa, que vai para a Copa do Mundo, que tem imposição moral, ética. Ele voltou atrás depois de ter apitado com convicção”.

Carreras também teceu críticas ao comportamento dos atletas do Vasco após o gol de Raniel. “Não tinha menor preparo para vestir a camisa do Vasco. Foram na torcida e querem colocar culpa nela. A provocação partiu deles. O torcedor paga para ver um espetáculo e não ser agredido, com atleta jogando cadeira, balançando genitália. Tudo está relatado em vídeo”, completou. 

Romão e Jorginho

Uma cena que chamou atenção na Ilha do Retiro foi a discussão entre o presidente do Sport, Yuri Romão, e o técnico do Vasco, Jorginho. O mandatário leonino explicou o ocorrido. “O técnico do Vasco tem, por hábito, ser sempre o pastor, sem querer trazer a questão religiosa. Ele se mostra um santo, mas é lobo em pele de cordeiro. Chegou com conversa mole dizendo que era pai de família, avô, que era um absurdo. Disse a ele que quem começou a confusão foi um atleta que jogou uma cadeira em direção à torcida e tinha mostrado a genitália. Já não gosto da figura dele e começamos a bater boca. Foi isso”, declarou.

Veja também

Em menos de 24 horas, Santa Cruz vende mais de 10 mil ingressos para clássico contra o Sport
SANTA CRUZ

Em menos de 24 horas, Santa Cruz vende mais de 10 mil ingressos para clássico contra o Sport

Torcida da Lazio entoa cantos fascistas em Munique antes de encarar Bayern na Liga dos Campeões
Liga dos Campeões

Torcida da Lazio entoa cantos fascistas em Munique antes de encarar Bayern na Liga dos Campeões