Donos da Fórmula 1 tentam se recuperar após perdas milionárias

Expectativas não são positivas para empresa que controla as ações da modalidade

Chase CareyChase Carey - Foto: ALFREDO ESTRELLA / AFP

Quando a empresa norte-americana Liberty Media comprou a Fórmula 1 por US$ 4,6 bilhões, no final de 2016, das mãos da CVC, companhia controlada por Bernie Ecclestone, mal sabia onde tinha se metido.

Com necessidade de mudanças e um modelo comercial explorado em seu limite, a categoria vem colecionando perdas operacionais, que já atingiram 105 milhões de dólares e devem aumentar neste ano, o que causou nova queda no valor das ações nesta semana. Ações estas que nunca chegaram sequer perto da meta inicial da Liberty, de US$ 47, e atualmente não chegam a US$ 40.

O grande problema enfrentado pela Liberty é a necessidade que os norte-americanos viram de investir na modernização do esporte, ao mesmo tempo em que eles têm dificuldade em aumentar o lucro. Os custos de manutenção aumentaram em 35% nos dois primeiros anos, chegando a US$ 514 milhões.

Quando assumiu como CEO da Fórmula 1, Chase Carey apostava que seria possível explorar os valores de patrocínio mas, dois anos e meio depois, a F-1 tem 15 parceiros, sendo que dois terços dos acordos foram fechados antes da venda.

Mais do que isso, Carey hoje já admite que a fórmula de Ecclestone era a melhor: o dirigente declarou recentemente, em reação à queda do valor das ações na bolsa, que quer mais contratos de TV a cabo e segue em sua cruzada contra os times para aumentar o calendário.

Isso porque, hoje em dia, a F-1 ganha mais com as taxas que cobra dos organizadores de GP do que com os direitos de imagem, algo inimaginável na era Ecclestone e que está ligado à exploração do streaming, que diminuiu o valor dos contratos de TV. Porém a categoria está longe da meta de 100 mil inscritos na F1TV (que não está disponível no Brasil devido ao contrato de exclusividade com a Globo), pois a qualidade e estabilidade do aplicativo ainda deixam a desejar. Ou seja, a F-1 vem perdendo terreno na TV e falhando em conquistar a internet.

O desenvolvimento da F1TV, claro, custa caro e é um dos fatores que vem puxando a alta dos gastos, que deve crescer mais 3,1% neste ano, chegando a US$ 530 ,milhões. Isso significa que menos dinheiro será distribuído entre as equipes, que receberam no ano passado US$ 913 milhões para dividirem entre si e já sabem que terão menos ano que vem.

E a previsão não é das mais animadoras. Embora o campeonato esteja crescendo, com a expectativa de 22 corridas e calendário recorde para o ano que vem, todas as renovações que vêm sendo assinadas - Inglaterra, Itália, México - ficaram com valores menores do que os atuais, aumentando a pressão por mais provas.

Não por acaso, já no início deste ano começaram os boatos de que a Liberty Media estuda vender a Fórmula 1, mesmo se isso significar perder parte do investimento bilionário. Porém com tanto investimento ainda sendo necessário, é difícil imaginar quem seria o comprador. 

Leia também: 

F1: Pilotos da McLaren renovam para a próxima temporada 

F1: GP do Brasil tem queda de braço entre Rio e São Paulo

Lewis Hamilton é pole do GP da Alemanha de F1 

 

Veja também

Inspirado em símbolo do basquete local, time promove reencontro entre gerações
Veteranos

Inspirado em símbolo do basquete local, time promove reencontro entre gerações

2ª etapa do Open de Tennis Reserva do Paiva inicia nesta quinta
Tênis

2ª etapa do Open de Tennis Reserva do Paiva inicia nesta quinta