Em contrato, DIS teria lucro mesmo que carreira de Neymar não decolasse

Pelo acordo, empresa pagou à família do jogador R$ 5 milhões, obtendo em troca o direito a ficar com 40% de uma futura negociação

Espera o outono, AliceEspera o outono, Alice - Foto: Arnaldo Sete/Divulgação

No Brasil e na Espanha, a DIS aciona atualmente Neymar e o Santos pela transferência do jogador ao Barcelona. A empresa recebeu 6 milhões de euros, mas afirma que tinha direito a 35 milhões por 40% dos direitos do atacante. A reportagem teve acesso ao contrato de direitos econômicos firmado em 2009 entre DIS e Neymar. Na época, o atleta tinha 17 anos. O documento protegia a empresa em todos os cenários possíveis, e garantia no mínimo o retorno do investimento caso a carreira do jogador não decolasse.

Pelo acordo, a DIS pagou à família do jogador R$ 5 milhões, obtendo em troca o direito a ficar com 40% de uma futura negociação. Entretanto, o contrato estabeleceu que

a) a empresa seria obrigada a autorizar uma venda;
b) o jogador reconhecia a necessidade de lucro da DIS e
c) a DIS receberia compensação caso o jogador tivesse seu contrato rescindido, ou cumprisse ele até o final sem uma grande venda à Europa.

A cláusula sexta diz que caso o atacante se liberasse do contrato com o Santos sem autorização escrita da DIS, por qualquer motivo, teria que indenizar a empresa em R$ 10 milhões. Já a cláusula oitava diz que Neymar, "em função do alto investimento, entende, compreende e concorda que a empresa aposta em sua valorização profissional e que necessita futuramente obter uma compensação financeira hábil a suplantar o citado investimento".

O item de número 12 do acordo ainda prevê que, caso Neymar cumprisse o contrato com o Santos até o final, teria que devolver os 5 milhões investidos, corrigidos pela inflação e acrescidos de juros iguais aos vigentes na caderneta de poupança durante o período.

Com todas as cláusulas, a DIS conseguiu realizar um investimento com risco zero ­ para rescindir o contrato de Neymar, era necessária sua autorização ­ sem ela, multa de R$ 10 milhões. Caso o atleta fosse vendido, a empresa teria direito, no mínimo, a esses mesmos R$ 10 milhões (dobro do valor investido). Por fim, se o jogador ficasse até o fim de seu contrato, a DIS teria direito a receber o investimento todo de volta corrigido e com juros.

Em contato com a reportagem, a DIS defendeu o acordo. "Foi o maior investimento realizado até hoje por um jogador sem nenhuma participação no time profissional somente de base". Ainda segundo a empresa, "havia um grande risco do jogador não virar como aconteceu com muitos atletas".

A empresa ainda argumenta que só receberia esses R$ 10 milhões em caso de "descumprimento de contrato" por parte de Neymar ­ o acordo, entretanto, não fala nisso. A DIS também afirma que não receberia nada caso o atacante cumprisse seu contrato com o Santos até o fim, mas o documento obtido pela reportagem obrigava
o atleta a devolver o dinheiro investido nele.

Neymar acabou vendido em 2013 por 17 milhões de euros. Além desse valor, declarado como direitos econômicos, o pai de Neymar recebeu 40 milhões de euros, os quais afirma tratar-se de direito de preferência; o Santos ainda recebeu outros valores como prioridade de atletas da base e realização de amistosos. Na Justiça, a DIS argumenta ter direito a 40% de toda a transação, o que totalizaria 35 milhões de euros.

Veja também

Secretaria de Saúde cancela clássico catarinense por risco de contágio
Campeonato Catarinense

Secretaria de Saúde cancela clássico catarinense por risco de contágio

Liverpool cede empate ao Burnley; Norwich é primeiro rebaixado da Premier League
Futebol Internacional

Liverpool cede empate ao Burnley; Norwich é primeiro rebaixado da Premier League