Equipes planejam forçar punições após mudanças na F-1

Trata-se das alterações para o uso dos motores, no qual as regras estão mais rígidas para os times

Fórmula 1Fórmula 1 - Foto: Twitter/Formula 1

As punições pela troca de componentes de motor se tornaram comuns especialmente na segunda metade da temporada de 2017 da Fórmula 1, com a McLaren liderando o número de posições perdidas no grid, com quase 400. No campeonato que começa neste final de semana, na Austrália, as regras para o uso dos motores estão mais rígidas, e as equipes já começam o ano planejando onde vão sofrer suas punições.

Até o ano passado, cada piloto tinha direito a quatro unidades de potência, que são compostas por motor de combustão, turbocompressor, MGU-H, MGU-K, bateria e central eletrônica. Em 2018, cada um terá à disposição três unidades dos três primeiros componentes, e apenas duas dos três últimos.

Em termos de confiabilidade em si, o diretor técnico da Renault, Bob Bell, garante que não se trata de um desafio tão grande assim do ponto de vista técnico, ainda que tenha pesado no bolso dos fabricantes.

"Fizemos mudanças no carro para que possamos nos adaptar a estes novos limites. E os motores também tiveram de ser desenhados para terem uma vida útil maior e tiveram de ter todas essas peças revalidadas, o que custou muito tempo e muito dinheiro. E quem gastou isso foram os fabricantes, porque isso não pode ser repassado para os clientes, que acabaram tendo um acordo melhor porque vão ter menos motores para comprar", apontou à reportagem o dirigente, lembrando que o regulamento prevê um teto no preço dos motores fornecidos.

Leia também:
Diretor da Williams admite dupla inexperiente em 2018 
Falta de patrocínio pode mudar regras da F-1 para 2019

Mas isso não significa que as equipes farão todo o esforço possível para chegar ao final do campeonato mais longo da história, com 21 etapas, tendo usado apenas três unidades de potência: é esperado que o uso dos motores ganhe ares estratégicos e pelo menos Renault e Honda já admitem que vão usar mais do que três unidades na temporada. Isso, para garantir que peças mais novas e desenvolvidas possam ser usadas na parte final do ano.

"Em determinado momento vamos ter de descobrir se será melhor largar com uma nova unidade de potência do fim do grid ao invés de usar um motor que terá já 3000 a 4000 quilômetros rodados, já que você começa a perder potência depois de cem ou duzentos quilômetros", reconheceu Franz Tost, chefe da Toro Rosso, única equipe a usar o motor Honda.

A possibilidade de escolher pistas em que a ultrapassagem é mais fácil para estrear motores mais desenvolvidos deve ser usada também por Mercedes e Ferrari. Ano passado, nem mesmo os postulantes ao título, Lewis Hamilton e Sebastian Vettel, conseguiram completar as 20 corridas com quatro unidades de potência.

Horários (de Brasília) do GP da Austrália:
- Quinta-feira
Treino livre 1: 22h
- Sexta-feira
Treino livre 2: 2h
- Sábado
Treino livre 3: 0h
Classificação: 3h
- Domingo
GP da Austrália: 2h10

Veja também

Jair Ventura ressalta importância do tempo que teve para treinar o time
Futebol

Jair Ventura ressalta importância do tempo que teve para treinar o time

Defensivo, Sport se segura no Mineirão e empata em 0x0 com o Atlético/MG
Futebol

Defensivo, Sport se segura no Mineirão e empata em 0x0 com o Atlético/MG