Everaldo Marques, a cara e a voz da NFL no Brasil

Presente em mais uma cobertura de Super Bowl, figura marcante das transmissões da liga no País detalha bastidores de cobertura

"Eve" aposta em título do San Francisco 49ers, "mas sem convicção nenhuma""Eve" aposta em título do San Francisco 49ers, "mas sem convicção nenhuma" - Foto: Divulgação

Joga pro alto e reeeeeza…! Talvez você possa ter escutado este bordão em algum flash nos canais de TV por assinatura. O momento icônico, narrado pela voz de Everaldo Marques, da ESPN Brasil, marcou um dos lances mais conhecidos da NFL nos últimos anos. Muito além de jargões ou narrações pontuais, o “Eve” é também a cara e a voz da liga de futebol americano no País. Às vésperas do Super Bowl LIV, que acontece neste domingo em Miami, entre San Francisco 49ers e Kansas City Chiefs, o locutor da emissora brasileira concedeu à Folha de Pernambuco uma entrevista exclusiva sobre os desafios da narração no Brasil e também a expectativa para um dos maiores eventos esportivos do mundo.

Desde 2006 narrando a NFL na emissora, Everaldo conta como a transmissão dos jogos e produção do conteúdo tem ajudado a disseminar o esporte. “O trabalho da ESPN é fundamental para o crescimento da NFL no Brasil. Temos uma preocupação nas transmissões de mostrar as regras e os bastidores, sem dúvida”, explica.

Escalado para a narração do Super Bowl, Everaldo Marques atuará ao lado de Paulo Antunes, que fará os comentários da partida. Fernando Nardini conduzirá as reportagens especiais ao longo da semana, enquanto o repórter Gustavo Faldon foi escalado em Miami para focar, sobretudo, na cobertura digital. Pelo sétimo ano consecutivo, a emissora transmitirá o Super Bowl para os cinemas em parceria com a Cinelive.

"No entanto, nem tudo é diversão. Para realizar a cobertura in loco e trazer maiores informações, uma rotina de cerca de 15h é realizada, toda antenada com as redes sociais. Acompanhando as entrevistas, fazendo entradas ao vivo, não paramos de trabalhar um instante. Mas isso não é necessariamente ruim”, diz Everaldo.

Além da interação nas redes sociais, a transmissão feita de forma descontraída também passou a ser uma marca registrada da ESPN. No entanto, a prioridade é sempre informar. “A narração descontraída é marca nossa desde 2006, e aproxima um pouco as pessoas, mas nunca vai ser mais importante do que o jogo. Temos as piadas, bordões e assuntos aleatórios, mas sempre o jogo vai ser o mais importante”, diz.

O trabalho de Everaldo e das equipes mais antigas também abriram portas para novos talentos, como observa o narrador. “A ESPN precisou ampliar o quadro de comentaristas em 2011, então chamamos Mancha e alguns jovens como Antony Curti e Paula Ivoglo que falava no Twitter com muita competência”, conta.

Leia também:
Temporada da NFL chega ao fim com futuro incerto para brasileiros
Fora do Super Bowl após três anos, Tom Brady avalia futuro na NFL


“O crescimento do esporte faz com que as pessoas sonhem em trabalhar com a NFL. Vendo isso, as novas gerações estão chegando aí e cada vez mais preparadas para elevar o status do futebol americano”, diz Everaldo. Além de Paulo Antunes, parceiro de Marques nas transmissões desde 2006, nomes como Eduardo Zolin, Anthony Curti, Paula Ivoglo, Paulo Mancha, Rômulo Mendonça, Fernando Nardini, Renan do Couto, Weinny Eirado, Gustavo Faldon e Ari Aguiar também aparecem nos jogos da NFL.

Por fim, Everaldo faz uma aposta em quem é o favorito para o grande jogo entre 49ers e Chiefs. “Meu palpite é no San Francisco 49ers, mas sem convicção nenhuma. O jogo é muito equilibrado e as duas equipes têm armas muito fortes”, encerra.

Veja também

Milan apresenta Mandžukić como reforço até o final da temporada
Futebol Internacional

Milan apresenta Mandžukić como reforço até o final da temporada

Milan vence Cagliari com dois gols de Ibra e reassume liderança isolada do Italiano
Futebol Internacional

Milan vence Cagliari com dois gols de Ibra e reassume liderança isolada do Italiano