Ex-chefe da F-1 paga milhões em McLaren usada por Senna

Bernie Ecclestone, ex-chefe executivo da F-1, desembolsou 4.197.500 de euros para vencer o leilão, em cifra que se aproxima dos R$ 18 milhões, do carro utilizado por Ayrton Senna em sua vitória no GP de Mônaco de 1993

McLaren utilizada por Senna em 1993McLaren utilizada por Senna em 1993 - Foto: Reprodução

O antigo executivo chefe da F-1 Bernie Ecclestone arrematou nesta sexta-feira (11) em Monte Carlo um modelo da McLaren usado por Ayrton Senna em sua vitória no GP de Mônaco de 1993. O empresário inglês desembolsou 4.197.500 de euros para vencer o leilão, em cifra que se aproxima dos R$ 18 milhões. Casado com a brasileira Fabiana Flosi, Ecclestone é um conhecido colecionador de carros históricos da Fórmula 1, com destaques para modelos antigos da equipe Brabham, em que foi chefe também.
Durante a semana, a Bonhams Monaco, casa responsável pelo leilão, afirmou que a expectativa era alcançar um pagamento de 5 milhões de euros pelo carro. Depois daquela prova, Senna voltaria a vencer apenas as corridas no Japão e na Austrália que fecharam a temporada de 1993.
"Este é um carro verdadeiramente especial. Ele conecta Senna e Mônaco, e seu sucesso na Fórmula 1 é único, fazendo deste um dos carros da categoria mais empolgantes já leiloados", afirmou Mark Osborne, diretor do departamento de automobilismo da Bonhams. O carro faz parte de um lote de carros de corrida leiloados pela Bonhams chamado "Les Grandes Marques à Monaco".
A vitória em 1993 foi a sexta de Senna em Mônaco, onde também já havia vencido em 1987, 1989, 1990, 1991 e 1992. Antes do brasileiro, o recorde de vitórias no principado era do britânico Graham Hill, que venceu as edições de 1963, 1964, 1965, 1968 e 1969.

Veja também

Clubes brasileiros dominam a Libertadores, mas crise pode ser uma ameaça à hegemonia
Futebol

Clubes brasileiros dominam a Libertadores, mas crise pode ser uma ameaça à hegemonia

Aberto dos Estados Unidos de golfe, na Califórnia, vai voltar a receber espectadores
Golfe

Aberto dos Estados Unidos de golfe, na Califórnia, vai voltar a receber espectadores