Fernandinho projeta sequência no time do Náutico

Lesões consecutivas atrapalharam permanência de Fernandinho no time titular do Náutico. Atacante também não conseguiu disputar um jogo completo pelo clube

Atacante passou mal no intervaloAtacante passou mal no intervalo - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Regularidade é tudo que o atacante Fernandinho deseja daqui para frente no Náutico. Acumulando três lesões musculares desde sua chegada ao clube, o jogador não conseguiu se firmar no time titular e, nos 13 jogos que disputou na temporada, apenas em um ele conseguiu ficar os 90 minutos no gramado. Recuperado dos problemas e de volta aos 11 iniciais, na vaga de Robinho, Fernandinho projeta vida nova no Timbu.

 “Eu me recuperei bem da última lesão para não me machucar mais. Estou trabalhando forte para conseguir jogar os 90 minutos. A contusão me atrapalhou bastante e, quando eu voltava, fazia mais dois jogos e depois me machucava novamente. Mas o departamento médico está cuidando bem de mim para não aparecer nova lesão”, afirmou Fernandinho.

Leia também:
Ortigoza não treina e pode desfalcar Náutico contra Confiança
Breno minimiza polêmica envolvendo Roberto e Camutanga

Sem vencer nos primeiros três jogos da Série C e posicionado na lanterna do Grupo A, o Náutico, na visão do técnico Roberto Fernandes, ainda não aprendeu a jogar a competição. Preocupação que Fernandinho espera sanar a partir da próxima rodada, diante do Confiança, sábado (5), na Arena de Pernambuco.

“Série C é diferente da A e B. Tem muita pegada, com times compactos que marcam forte. Roberto também pede isso pra gente. O Confiança tem uma equipe qualificada, mas estamos invictos em casa e vamos atrás dos três pontos”, frisou.

Veja também

Internacional vence sexta seguida e fica a um ponto do líder São Paulo
Campeonato Brasileiro

Internacional vence sexta seguida e fica a um ponto do líder São Paulo

Presença de atletas formados na base cresce 25% em Brasileiro na pandemia
Futebol

Presença de atletas formados na base cresce 25% em Brasileiro na pandemia