Fifa vende 356 mil ingressos da Copa do Mundo em um dia

Está é a terceira fase da negociação dos bilhetes. Até o momento, mais de 1 milhão de entradas já foram vendidas

Taça da Copa do MundoTaça da Copa do Mundo - Foto: Fabrice Coffrini/AFP

A Fifa comercializou 356.700 ingressos da Copa do Mundo nas primeiras 24 horas da terceira etapa de vendas, nesta terça-feira (13). O serviço feito exclusivamente através do site da entidade teve como maiores interessados os russos, responsáveis pela compra de 197 mil bilhetes.

Em seguida vieram os norte-americanos (14.845 ingressos comprados), torcedores da Argentina (14.564), Colômbia (13.994), México (13.505), Brasil (9.691), Peru (9.493), Austrália (5.500), Alemanha (5.476), China (5.459) e Índia (4.660).

No início da semana, a Fifa pediu desculpas pela demora na operação do sistema. Muitos torcedores não conseguiram efetuar a compra dos ingressos. A entidade comunicou que a pane no sistema ocorreu devido ao grande volume de procura.

Mais de 1,3 milhão de ingressos haviam sido vendidos nas etapas anteriores de comercialização. O primeiro lote começou em setembro do ano passado. Na terça entrou nova fase de vendas dos ingressos para o Mundial da Rússia. As compras são feitas por intermédio do tickets.fifa.com.

Leia também: 
Gato morador de museu vira o vidente oficial da Copa
Preço de figurinhas da Copa terá aumento real de 56%
Moscou reúne voluntários para marcar 100 dias da Copa Apenas duas partidas, segundo a Fifa, estão com ingressos esgotados. Além da decisão em Moscou (15 de julho), o jogo entre Argentina x Islândia (16 de junho), partida de estreia de Lionel Messi e companhia na Copa, não possuem mais entradas - somente em caso de desistência de torcedores ou patrocinadores, os bilhetes voltam ao mercado.

 

Veja também

Palmeiras se irrita e vê silêncio gerar conflito após 2 semanas sem técnico
Futebol

Palmeiras se irrita e vê silêncio gerar conflito após 2 semanas sem técnico

Náutico perto de acerto com Fernando Leite, executivo de futebol
Futebol

Náutico perto de acerto com Fernando Leite, executivo de futebol