Finalista da NFL doou salário para financiar educação

Chris Long, do Philadelphia Eagles, abriu mão de R$ 3,1 mi que receberia nesta temporada

Chris Long, do Philadelphia EaglesChris Long, do Philadelphia Eagles - Foto: AFP

O atleta Chris Long abriu mão de um salário anual de US$ 1 milhão (R$ 3,1 milhão na cotação do dia) que receberia do Philadelphia Eagles nesta temporada da NFL para financiar educação. A decisão se tornou questão de honra após ele presenciar, em agosto de 2017, grupos de supremacistas brancos insultarem e agredirem negros e grupos antirracismo em Charlottesville, cidade norte-americana onde cresceu, estudou e iniciou carreira no futebol americano -três pessoas morreram e mais de 30 ficaram feridas nos confrontos.

Inicialmente, Long resolveu doar o equivalente ao que receberia pelos seis primeiros jogos do campeonato para bancar a formação de duas crianças por sete anos, até a conclusão do ensino médio. Quem administra as bolsas de estudo é a St. Anne's-Belfield School, colégio frequentado pelo jogador na infância. Em seguida, ele abriu mão do restante do salário para lançar a campanha Pledge 10 for Tomorrow, que levanta fundos para apoiar projetos de fomento à educação nas três cidades onde atuou na NFL - St. Louis, Boston e Filadélfia.

"Assistimos às pessoas invadirem as ruas da cidade com ódio e fanatismo. Decidi tentar enfrentar o problema com investimento próprio. Nossa cidade é maravilhosa, e acho que as pessoas ficaram com uma impressão errada sobre os cidadãos de Charlottesville", explicou o jogador à ESPN dos Estados Unidos na ocasião.

Ajudar jovens a ter uma base de conhecimento mais ampla é a principal recompensa da ação que está promovendo, mas Chris Long também poderá desfrutar de reconhecimento esportivo. Atual campeão do Super Bowl, ele terá a chance de conquistar o bicampeonato da final da NFL comandando a defesa dos Eagles diante do New England Patriots, justamente a equipe que o levou ao título no ano passado. A partida será neste domingo (4), às 21h30 (de Brasília), no US Bank Stadium, em Minneapolis.

Aos 32 anos e na liga há dez temporadas, Long é defensive end, compõe a linha defensiva do Philadelphia Eagles. A função primordial dele é conter avanços ofensivos e tentar chegar ao quarterback adversário para neutralizá-lo. Dedicar-se à defesa também faz parte do DNA de atleta fora de campo. Ele aproveita a fama e a projeção que a NFL lhe proporciona para realizar filantropia e se posicionar como ativista.

Em 2015, Long participou de uma expedição ao Monte Kilimanjaro, na Tanzânia, o ponto mais alto da África, com 5.895 metros, e se sensibilizou com as condições de pobreza da população local. Foi o pontapé inicial para a criação da ONG Waterboys, que arrecada verba para a construção de poços com água potável na região. Por meio de doações, pretende criar 32 pontos de captação de água, representando os 32 times da NFL. Segundo o site do grupo, a instalação de cada poço custa US$ 45 mil (R$ 142 mil) e pode servir a 7.500 pessoas.

Leia também:
Próximo do Super Bowl, Brady diz que Gisele é sua inspiração 

Em conjunto com outros jogadores da liga e de veteranos de guerra, o Waterboys promove uma escalada anual ao Kilimanjaro também para angariar fundos e promover justiça social. A edição de 2018, duas semanas após o Super Bowl, terá como meta juntar US$ 150 mil (R$ 475 mil).

Até uma brincadeira promovida nos playoffs virou ação beneficente. Alguns jogadores usaram máscaras de cachorros na comemoração pela vitória sobre o Minnesota Vikings, na final da Conferência Nacional, uma provocação aos que consideravam os Eagles como azarões na caminhada rumo ao Super Bowl. A NFL, atenta à repercussão nas redes sociais, lançou uma edição comemorativa de camisetas do Philadelphia com rostos de cachorros. Long interveio, e sugeriu no Twitter que a liga deveria doar o lucro para a caridade. Horas depois, a NFL anunciou que 100% das vendas seriam revertidos a projetos educacionais.

Long também é ativista político. No ano passado, ao ser campeão do Super Bowl pelos Patriots, ele recusou convite para ir à Casa Branca visitar o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, evento tradicional das ligas locais. Se vencer a final novamente neste ano, o defensor já antecipou que declinará o chamado de novo.

Ele também foi voz ativa durante os protestos que jogadores negros da NFL promoveram no início desta temporada, ajoelhando-se durante a execução do hino nacional norte-americano, em protesto ao racismo e à violência policial contra afrodescendentes no país.

Veja também

Socorro ao setor esportivo deve ser votado nesta terça, na Câmara dos Deputados
Esportes

Socorro ao setor esportivo deve ser votado nesta terça, na Câmara dos Deputados

Confiante, Fabiano evita falar em prioridade e vê Santa pronto para voltar a jogar
Santa Cruz

Confiante, Fabiano evita falar em prioridade e vê Santa pronto para voltar a jogar