Fora da zona, Náutico faz contas para o G4 da Série C

Técnico do Náutico, Márcio Goiano, indicou que o clube precisa somar mais 18 pontos dos próximos 27 em disputa para terminar entre os quatro primeiros colocados do Grupo A da Série C

Márcio Goiano quer o Náutico encarando todos os jogos como uma finalMárcio Goiano quer o Náutico encarando todos os jogos como uma final - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

Turno novo, vida nova. No Náutico, o lema é evoluir nos nove jogos que faltam da primeira fase do Grupo A da Série C. A vitória por 3x2 diante do Remo, na Arena de Pernambuco, no último jogo do turno, foi a motivação que faltava para vislumbrar uma ainda sonhada classificação ao mata-mata. O primeiro passo foi dado: com o triunfo e o tropeço do Globo diante do Confiança, o Timbu saiu da zona de rebaixamento, ocupando a oitava colocação, com 10 pontos. Agora, os cálculos são mais ambiciosos, de olho na parte de cima da tabela na metade final da competição.

"Temos nove decisões pela frente. Para nos classificarmos, é importante que a gente vença dois a cada três jogos. Se fizermos isso, conseguiremos mais 18 pontos, terminando com 28 no final", afirmou o técnico do Náutico, Márcio Goiano. Pegando como exemplo as edições da Série C desde 2012, quando foi adotado o atual modelo de disputa, o Náutico, com essa pontuação almejada, alcançaria o G4 - a média de pontos dos quartos colocados é de 27. Há seis anos, no grupo menos acirrado, houve clube que terminou entre os quatro melhores da fase inicial com 24. Em contrapartida, em 2015, o Confiança só alcançou o quarto lugar ao somar 31 pontos.

Leia também:
Náutico ganha seu novo uniforme da Topper
Jhonnatan destaca lado ofensivo e pede sequência de vitórias ao Náutico
 

O Náutico só entrará em campo na próxima segunda. A abertura do returno será diante do Santa Cruz, no Arruda. No jogo do primeiro turno, o Clássico das Emoções terminou empatado em 0x0. Para o confronto, o técnico do Náutico Márcio Goiano deixou no ar a possibilidade de alterar o estilo de jogo do time. O motivo? A boa exibição do meia Wallace Pernambucano. O jogador entrou na vaga do atacante Ortigoza no intervalo da partida contra os paraenses e participou de dois dos três gols da partida.

"Conheço bem Wallace. É um jogador de muita força, que 'arrasta' as jogadas. O lance do pênalti foi assim, 'arrastando' até chegar à área. É um bom finalizador, com presença de área. Ele se credencia também para ser titular", afirmou o treinador. O Timbu também terá o retorno do meia Luiz Henrique, que cumpriu suspensão na rodada anterior. Em contrapartida, o Náutico não contará com o zagueiro Camutanga. Após o treino da última sexta (8), o jogador foi diagnosticado com uma lesão grau um na panturrilha esquerda. De acordo com o departamento médico do clube, o atleta ficará entre duas e três semanas afastado dos gramados. Rafael Ribeiro, substituto de Camutanga diante do Remo, deve ser mantido na zaga ao lado de Camacho.

Veja também

'Ele morreu por alguns minutos', diz ex-médico de Eriksen
SUSTO NA EUROCOPA

'Ele morreu por alguns minutos', diz ex-médico de Eriksen

Brasil encara Venezuela na estreia da Copa América 2021
Futebol

Brasil encara Venezuela na estreia da Copa América 2021