Fórmula 1 pode ter Grande Prêmio em Miami

A inclusão de Miami ao calendário da Fórmula 1 visa expandir a marca. Pelo potencial turístico, a cidade seria o local perfeito para abrigar um GP

Fórmula 1Fórmula 1 - Foto: Twitter/Formula 1

Miami, nos Estados Unidos, poderá abrigar um Grande Prêmio de Fórmula 1 a partir da temporada de 2019. A prefeitura da cidade norte-americana irá votar na próxima semana sobre a possibilidade de um acordo com os organizadores da categoria.

Segundo o site Motorsport, o acordo entre Miami e a Liberty Media, empresa que comprou os direitos de exploração da Fórmula 1, iria de 2019 até 2028.

Para a Liberty, a inclusão de Miami ao calendário da Fórmula 1 visa expandir a marca. Miami, pelo potencial turístico, seria o local perfeito para abrigar um GP.

Leia também:
GP de Mônaco de Fórmula 1 vai ter grid girls, diz dirigente
Fórmula 1 estuda novidades para atrair público jovem
Argentina deve voltar ao circuito da Fórmula 1 em 2020
FIA autoriza uso de retrovisores no halo na F-1

"Agradecemos o interesse da comunidade em sediar uma corrida de Fórmula 1. O status de Miami como uma das cidades mais emblemáticas e glamorosas do mundo, combinado à robusta infraestrutura turística, faz dela o destino perfeito para a F-1 e seus fãs", disse o diretor da categoria, Sean Bratches.

Os EUA já possuem uma etapa no calendário atual. Neste ano, a cidade de Austin abrigará corrida no mês de outubro. No entanto, historicamente, os Estados Unidos não figuraram entre as maiores atrações da F-1.

O automobilismo no país tem como principais forças a Nascar e Fórmula Indy. Com a entrada da Liberty Media, situada no Colorado, a Fórmula 1 quer aumentar sua entrada na América do Norte. 

Veja também

Após vitória, auxiliar técnico César Lucena elogia time do Sport: 'Lutou pelo resultado até o fim'
Sport

Após vitória, auxiliar técnico César Lucena elogia time do Sport: 'Lutou pelo resultado até o fim'

Doze grandes clubes europeus lançam 'Superliga' independente da Uefa
Futebol internacional

Doze grandes clubes europeus lançam 'Superliga' independente da Uefa