FPF aguarda protocolo da CBF para retomar debate sobre volta aos jogos

Competições foram paralisados em março por conta da pandemia do novo coronavírus e ainda não possuem data para retornar

[610] evandro carvalho[610] evandro carvalho - Foto: Divulgação/FPF-PE

Após o Ministério da Saúde apresentar parecer favorável à volta das atividades do futebol no Brasil, federações estaduais aguardam o protocolo médico e de segurança da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para servir de base em uma futura decisão em âmbito local para convencer os órgãos de saúde sobre o retorno das competições. De acordo com o presidente da Federação Pernambucana de Futebol (FPF), Evandro Carvalho, o documento da entidade máxima deve ser liberado nesta semana, dando seguimento ao debate sobre como ocorrerá o regresso no esporte no País, paralisado por conta da pandemia do novo coronavírus.

"Tivemos um sinal positivo do Ministério, mas ainda precisamos do protocolo para conversarmos com os órgãos responsáveis sobre o retorno. Mesmo com o aval nacional, nós sabemos que cada estado precisa ser analisado de forma individual. Com o documento, nós faremos um modelo semelhante aqui para definir como voltaremos", afirmou o presidente.

O Trio de Ferro da Capital ainda não voltou aos treinos presenciais. O Náutico chegou a definir uma data para retorno, no dia 11 de maio, mas deixando claro que só promoverá o regresso dos atletas ao Centro de Treinamento Wilson Campos caso o Governo de Pernambuco permita. Questionado sobre uma previsão de reinício dos treinamentos e das competições, Evandro foi sucinto. "Nós dependemos da curva epidêmica da doença. Queremos voltar em junho. Se não der, voltamos em julho. O importante é voltar e, para isso, precisamos seguir todas as normas e ter a liberação de todos os órgãos", declarou.

Oito dos 20 times que compõem a Série A do Campeonato Brasileiro em 2020 já começaram a voltar aos treinamentos. No entanto, somente Grêmio e Internacional já possuem data para iniciar os trabalhos presenciais. Dos outros 12 restantes, apenas dois se posicionaram de forma oficial: Santos e Palmeiras. Os rivais paulistas continuarão com o isolamento social e afirmaram que só voltarão aos treinos quando houver aval das autoridades. O Verdão já se movimenta para comprar testes da Covid-19.

Ministério
A aprovação do Ministério de Saúde com relação ao retorno do futebol foi feita com ressalvas. A pasta citou pontos que considerou insatisfatórios no guia da CBF. O órgão sugere que a confederação "garanta a realização dos testes e avaliações constantes não apenas nos atletas, mas também que seja ofertado aos membros das comissões técnicas, funcionários e colaboradores, assim como aos respectivos familiares e contactantes próximos".

Questiona também o fato de que, "na proposta apresentada, não fica evidenciado onde serão realizados os testes, periodicidade e critérios de retestagem, e como serão assistidos caso o diagnóstico dos atletas seja positivo". Outro problema é que no momento "a disponibilização de testes rápidos no sistema de saúde encontra-se saturado diante das necessidades da população brasileira".

O Ministério da Saúde pediu que a CBF desenvolva um plano mais elaborado, envolvendo outros órgãos governamentais e da sociedade civil, detalhando as medidas de saúde, segurança e higiene que serão adotadas. O parecer destacou ainda que a decisão sobre o retorno de uma atividade específica caberá às autoridades locais. "Somente com base na análise de risco da secretaria municipal é possível saber em quem momento cada fase pode ser adotada em cada município. O Ministério da Saúde não determinou e nem determinará fechamento ou abertura de qualquer atividade. Essa é uma decisão que cabe ao gestor local."

Leia também:
VP do Santa se posiciona contra retorno do futebol em meio à pandemia
Reunião pode definir futuro do futebol em São Paulo

Veja também

'Neymar arqueiro', D'Almeida vira esperança de medalha no tiro com arco
Jogos Olímpicos

'Neymar arqueiro', D'Almeida vira esperança de medalha no tiro com arco

Vinte atletas ficarão fora das Olimpíadas por descumprirem padrões antidoping
Jogos Olímpicos

Vinte atletas ficarão fora das Olimpíadas por descumprirem padrões antidoping