A-A+

Gabigol se une à campanha contra a homofobia no futebol

Atacante do Flamengo jogará com a camisa 24 no próximo sábado (8), em partida diante do Madureira, pelo Carioca

Flamengo sonha com Gabigol em dia inspirado no Monumental de Lima, palco da decisãoFlamengo sonha com Gabigol em dia inspirado no Monumental de Lima, palco da decisão - Foto: Delmiro Junior/Photo Premium/Folhapress

O atacante Gabigol, do Flamengo, se uniu à campanha contra a homofobia, ao anunciar que jogará com número 24 (referência a uma associação homofóbica ao número no jogo do bicho), durante a partida contra o Madureira, no próximo sábado (8), pelo Campeonato Carioca.

Inicialmente, a imprensa divulgou que o artilheiro do Rubro-Negro iria entrar em campo com este uniforme nesta segunda-feira (3), contra o Resende, pela quinta rodada do torneio estadual. Uma hora antes do início deste jogo, a assessoria de imprensa do clube carioca informou que Gabigol jogará com número 24 no próximo sábado contra o Madureira, em confronto também válido pelo Carioca 2020.

Gabigol "fez uma consulta sobre isso e o Flamengo concordou", acrescentou a assessoria do Time da Gávea. O jogador, que veste tradicionalmente a camisa número 9, também vai homenagear o astro do basquete americano Kobe Bryant, falecido há uma semana, que usava a mesma numeração.

Através do Twitter, Gabigol postou no domingo o número 24, seguido das hashtags "#numeroderespeito" e "#KobeForever".

A questão da relação do 24 com a homofobia ganhou mais destaque no esporte em janeiro, quando o diretor de futebol do Corinthians, Duílio Monteiro Alves, chegou dizer "24, aqui não", durante a apresentação de um jogador.

Leia também:
Torcedores são presos na Inglaterra acusados de racismo e homofobia
Brasileirão tem jogo paralisado por conta de homofobia


Pouco depois, o clube Bahia lançou a campanha "Número do respeito". "Número proibido? #NúmeroDoRespeito", tuitou a equipe em 28 de janeiro, com os emojis de uma bola de basquete e da bandeira com as cores do arco-íris do movimento LGBT+. Em seguida, o jogadores Flávio (Bahia), Nenê (Fluminense) e Tailson (Santos) passaram a usar o número.

Veja também

Por 'comum acordo', regra que limita demissões de técnicos não inibe dança das cadeiras
Futebol

Por 'comum acordo', regra que limita demissões de técnicos não inibe dança das cadeiras

Com mudanças no meio e no ataque, Náutico encara a Ponte
Futebol

Com mudanças no meio e no ataque, Náutico encara a Ponte