Santa Cruz

Givanildo Oliveira confirma Santa Cruz para sua estreia contra o Brasil de Pelotas

Às vésperas do seu primeiro jogo no comando, o técnico coral revelou a escalação para a partida de amanhã

Nininho ganhou espaço no Santa Cruz com a lesão de VítorNininho ganhou espaço no Santa Cruz com a lesão de Vítor - Foto: Rodrigo Baltar/Santa Cruz

Sem mistério, o técnico Givanildo Oliveira adiantou a escalação do Santa Cruz para o jogo diante do Brasil de Pelotas/RS. Após o treino às vésperas da partida, na manhã desta quinta-feira (6), no Arruda, o treinador coral confirmou o time com duas mudanças em relação à equipe que perdeu para o Oeste/SP, no último sábado. O lateral direito Nininho e o atacante André Luís ganharam a titularidade nas vagas de Gabriel Vallés e William Barbio, respectivamente.

“O time é o que fez o coletivo. Na véspera do jogo, não tem mais o que fazer. Mas amanhã, antes do jogo, ainda vamos conversar. Eu aproveitei os treinos para organizar algumas coisas que achei que estavam erradas, tanto na defesa como ofensivamente”, declarou o comandante tricolor na coletiva de imprensa. 

A escalação do Santa para a partida é a seguinte: Júlio César; Nininho, Bruno Silva, Jaime e Roberto; Elicarlos, Derley e João Paulo; André Luís, Ricardo Bueno e Augusto. O jogo contra o Brasil de Pelotas/RS, nesta sexta-feira (7), na Arena de Pernambuco, marca a estreia do experiente Giva no comando da equipe coral. O técnico comentou sobre o adversário e prevê um duelo difícil pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B.

"O Brasil (de Pelotas) é um time forte. Joguei recentemente contra eles, quando estava no Ceará, e foi complicado. Fizemos um gol no final. É um time que marca forte”, encerrou o treinador.

Veja também

Jair Ventura ressalta 'melhor segundo tempo' do Sport em 'final de Copa do Mundo'
Sport

Jair Ventura ressalta 'melhor segundo tempo' do Sport em 'final de Copa do Mundo'

Hélio agradece jogadores e afirma não ter deixado de acreditar na permanência
Náutico

Hélio agradece jogadores e afirma não ter deixado de acreditar na permanência