Governo criará novo órgão para gerir Parque Olímpico do Rio

Até a manhã deste sábado, os funcionários ainda não haviam sido comunicados da mudança

Parque Olímpico da Barra da TijucaParque Olímpico da Barra da Tijuca - Foto: Divulgação

Um dia antes da data marcada para a extinção da Autoridade de Governança do Legado Olímpico (AGLO), autarquia responsável por administrar metade dos equipamentos do Parque Olímpico do Rio de Janeiro, o Ministério da Cidadania e a Secretaria Especial do Esporte definiram a quem suas atribuições serão repassadas. Um novo órgão, menor e subordinado ao secretário especial de Esporte, atualmente o general Décio Brasil, será criado em seu lugar.

"É uma decisão do governo, visando à redução de custos, sem prejuízo das atividades. A nova entidade exercerá as atividades fim do Parque Olímpico da Barra", disse à reportagem Marcelo Nery, que atualmente responde pela AGLO. A informação, publicada inicialmente pelo jornal O Globo, foi confirmada pela Folha de S.Paulo. Procurada, a secretaria ainda não confirma a criação do novo órgão. Hoje, a AGLO tem 69 dos seus 95 cargos ocupados. A nova estrutura prevê cerca de 35 pessoas.

A autarquia, criada em 2017 para "viabilizar a adequação, a manutenção e a utilização das instalações esportivas olímpicas e paraolímpicas" criadas para a Rio-2016, deve ser extinta neste domingo (30), conforme previsto em lei. O principal motivo para a redução do tamanho da operação é a diminuição de custos. Uma reunião na sexta-feira (28) serviu para acelerar as conversas, mas ainda não houve uma definição de como o novo órgão será organizado.

Presidente da entidade desde sua criação e até maio deste ano, quando foi demitido, Paulo Marcio Mello não foi consultado sobre a mudança. Apesar de ter sido comunicado por telefone de seu desligamento, ele ainda não teve sua exoneração publicada no Diário Oficial, o que deve acontecer junto com o fim da autarquia e da exoneração dos demais funcionários.

A transição entre as pastas será feita durante a próxima semana, quando também haverá um comunicado oficial por parte do ministério e da secretaria. A AGLO gere a Arena Carioca 1, a Arena Carioca 2, o Complexo Olímpico de Tênis e o Velódromo Olímpico, todos dentro do Parque Olímpico localizado na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

A administração e gestão do Parque Olímpico serão de responsabilidade do novo órgão, enquanto funções administrativas, por exemplo as atividades da Procuradoria deverão ser repassadas à secretaria e ao ministério. Sobre o que envolve o complexo de Deodoro, ainda não há definição. A AGLO também administra, em parceria com as Forças Armadas, o Centro Nacional de Tiro, os centros de pentatlo moderno e hóquei sobre grama, além de um ginásio multiuso, localizados em Deodoro. 

Leia também:  

Parque Olímpico do Rio corre o risco de ficar sem gestor privado
Polícia indicia responsáveis por queda de câmera no Parque Olímpico 

Veja também

Chateado, Martelotte se desculpa com o torcedor e lamenta permanência na série C
Santa Cruz

Chateado, Martelotte se desculpa com o torcedor e lamenta permanência na série C

Gestão Constantino Júnior fecha ciclo sem conquistas
Futebol

Gestão Constantino Júnior fecha ciclo sem conquistas