Honda e RBR podem renovar devido a fase de Verstappen

Com duas vitórias e terceiro colocado da atual temporada da Fórmula 1, o holandês é uma das principais promessas

Verstappen, piloto da Red BullVerstappen, piloto da Red Bull - Foto: AFP/Divulgação

Não é exagero dizer que as últimas quatro corridas da F1 se tornaram históricas para a presença da Honda na Fórmula 1. Tudo começou com a vitória de Max Verstappen no dia 30 de junho, justamente quando o vice-presidente da montadora japonesa, Seiji Kuraishi, tinha viajado até o interior da Áustria para se reunir pessoalmente com a cúpula da Red Bull no circuito que é de propriedade da empresa de energéticos.

Kuraishi nunca viu com bons olhos o alto investimento na Fórmula 1 e estava preocupado, assim como os acionistas, com o andamento das negociações para as novas regras da categoria, que vão estrear em 2021. Afinal, a Honda apostava em mudanças importantes nos motores para conseguir tirar o que faltava da diferença para as demais fornecedoras, cuja experiência com os V6 turbo híbridos é maior. Mas, com a demora para se encontrar um caminho que agradasse a todos, a revelação que era esperada ficou para trás, e a Honda passou a considerar seriamente deixar a categoria ao final de 2020.

Isso porque, sem uma revolução, a experiência dos rivais continuaria contando a seu favor, e havia o temor de que o investimento da Honda, que aumentou muito desde que os japoneses perceberam que subestimaram o desafio de voltar à F1 do zero, jamais seria recuperado com vitórias e títulos.

Mas Max Verstappen venceu o GP da Áustria por puro ritmo, em um circuito no qual a eficiência do motor em altitude é testada e em uma tarde de muito calor, o que atingiu em cheio os rivais. A vitória mostrou que o motor Honda tinha, sim, qualidades que os outros não tinham, de eficiência, resfriamento e tamanho. "Dias como esse vão ajudar, com certeza, pois mostram que o motor está convergindo com os outros mesmo com as regras estáveis", destacou o chefe da Red Bull, Christian Horner, após a vitória da Áustria.

E os tais dias como aquele se repetiram: três semanas depois, na Alemanha, Verstappen ganhou de novo, desta vez na Alemanha, sob chuva e mostrando outro ponto forte do motor Honda: a dirigibilidade. E, no último final de semana, o holandês esteve próximo de vencer de novo, sendo ultrapassado por Lewis Hamilton nas voltas finais.

Porém mais importante do que isso foi a pole position. Isso porque a grande defasagem da Honda para os rivais vinha sendo o que foi apelidado na F1 de "modo festa", ou seja, a configuração mais agressiva do motor, que os pilotos usam por uma volta na classificação. E, na Hungria, Verstappen, de Honda, ganhou na reta das Mercedes para fazer a pole.

Leia também:
Vitória da RBR segura Verstappen e agrada Honda
Red Bull lança carro para 2019, com motor Honda
Max Verstappen supera Mercedes de Hamilton e conquista 1ª pole da carreira


Com esses resultados, paira na lembrança dos japoneses o fim do projeto da equipe Honda, em 2008, quando foi gasto um caminhão de dinheiro para o ano seguinte, mas mesmo assim a montadora decidiu sair da categoria. E o carro projetado pela equipe se tornou o Brawn GP, que ganhou o campeonato com folga.

Assim, apesar do contrato ainda não estar fechado, é dada como certa a permanência da Honda na F-1 além de 2020, algo fundamental para a Red Bull tentar que o próprio Verstappen renove seu contrato, que também acaba no final do ano que vem.

Veja também

Santa Cruz anuncia saída do volante André
Santa Cruz

Santa Cruz anuncia saída do volante André

Argentino Jorge Sampaoli é o novo técnico do Olympique de Marselha
Futebol Internacional

Argentino Jorge Sampaoli é o novo técnico do Olympique de Marselha