Hooligans são problema que estará resolvido no Mundial

Comitê da Copa quer evitar embates de torcedores durante a competição

Alexei Sorokin, chefe do COL (Comitê Organizador Local)Alexei Sorokin, chefe do COL (Comitê Organizador Local) - Foto: FIFA.com/Divulgação

O choque entre hooligans ingleses e russos durante a Eurocopa-2016 em Marselha, na França, foi marcante. A batalha tomou conta das ruas da cidade e se estendeu para dentro do estádio. Às vésperas do Mundial da Rússia, que será aberto em 14 de junho, o fato volta à tona e gera preocupação.

"O serviço de segurança russo e a segurança particular dentro dos estádios garantirão que a celebração ocorrerá sem problemas em cada uma das 11 cidades-sede", afirma Alexei Sorokin, 45, chefe do COL (Comitê Organizador Local). O planejamento das autoridades russas em conjunto com forças de segurança de outros países tem feito a cada dia aumentar a lista de estrangeiros proibidos de entrar no país da Copa.

O mesmo tem ocorrido, conforme afirmação de quem virou presidente do COL em dezembro, após a renúncia de Vitali Mutko, com a relação de russos que vão ser proibidos de entrar nos estádios durante o Mundial.

Mutko, acusado de ser um dos mentores do esquema estatal de doping na Rússia, deixou a presidência para se dedicar a sua defesa na CAS (Corte Arbitral do Esporte) e tentar reverter a decisão do COI (Comitê Olímpico Internacional) que o baniu por toda a vida de qualquer atividade relacionada ao esporte.

Pergunta - O que mudou no Comitê Organizador desde a saída de Vitali Mutko?

Alexei Sorokin - Do ponto de vista operacional, nada mudou ou teve de ser mudado com a renúncia de Vitali Mutko. Sob sua liderança construímos e desenvolvemos estruturas organizacionais robustas e estamos conseguindo alcançar nossas metas. Vitali Mutko segue a cargo do projeto de infraestrutura como representante do governo. Estamos com os projetos em dia e alcançaremos os prazos.

O doping é uma sombra sobre a Copa do Mundo?

Sorokin - Não. Todo o controle antidoping na Copa do Mundo está sob autoridade e supervisão da Fifa. Como ocorreu em 2014 no Brasil, a Fifa fará os testes fora do país, como já foi na Copa das Confederações. Com relação às alegações contra a Rússia e jogadores russos, apenas posso reiterar o que foi dito. Os jogadores russos seguem sendo testados em competições internacionais e passarão pelo rigoroso controle da Fifa que é aplicado a todos os participantes.

A eleição presidencial no dia 18 de alguma maneira afeta a preparação para a Copa?

Sorokin - Ao mesmo tempo em que contamos com todo o apoio do governo federal e do presidente da Rússia, a eleição não afetará nosso trabalho. Ao longo dos últimos sete anos, nos preparamos para receber a Copa no mais alto nível. Todas as decisões estratégicas foram tomadas e estamos agora na fase final de execução.

Qual papel do presidente Vladimir Putin na organização?

Sorokin - O presidente é o mandatário do comitê supervisor do COL. Ele controla o órgão. Ele participa dos encontros e de todas as decisões importantes. É natural que ele não se junte a nós todas as semanas, mas periodicamente nos reunimos. O presidente Putin está a par dos acontecimentos.

Nesta terça-feira (6) faltarão 100 dias para a Copa. Quais são as maiores preocupações?

Sorokin - Tenho orgulho de dizer que não temos grandes preocupações. Estádios estão sendo finalizados, inspecionados e serão testados. Focamos a parte operacional dos jogos e da organização da competição em si, serviços aos espectadores, transporte e segurança.

O Brasil recebeu a Copa em 2014 e a Olimpíada em 2016 e muitas coisas relacionadas à infraestrutura foram entregues no último minuto. Isso acontecerá na Rússia?

Sorokin - Sem a intenção de comparar os dois países, eu gostaria de dizer que a Rússia está acostumada a receber grandes eventos esportivos. Muitas vezes provamos que somos anfitriões capazes e cordiais, permitindo que os atletas se apresentem no mais alto nível. Os espectadores aproveitarão os eventos em ambiente seguro e de muita hospitalidade.

A mídia britânica tem publicado matérias negativas sobre o Mundial. Há uma campanha britânica contra a Copa? A porta-voz do Ministro de Relações Exteriores, Maria Zakharova, disse isso.
Sorokin - Fomentar o medo ou trazer à tona assuntos irrelevantes fora de proporção antes de grandes eventos não é algo novo. Isso é o suficiente para dizer que nosso trabalho está sendo seguido de forma mais crítica em alguns países do que em outros. Do ponto de vista operacional, não é relevante. O que é relevante é que se houver problema, o COL e as autoridades irão agir.

Racismo, homofobia. Estas questões preocupam o COL?

Sorokin - Todos os visitantes da Rússia, independentemente de raça, gênero, religião ou orientação sexual podem esperar uma recepção calorosa. Estamos empenhados com a Fifa na campanha antidiscriminação. Estou convicto de que a Copa vai catalisar mudanças dessas percepções. Queremos fazer da Rússia um exemplo para todos. Nós queremos ser o melhor país-sede da Copa.

O Estado Islâmico fez propaganda ameaçando o torneio, atletas e seleções. Preocupa?

Sorokin - Como país-sede, a Rússia e todas as autoridades consideram a segurança a prioridade número 1. Desde o estágio de candidatura e durante toda a preparação, um grande esquema foi concebido e desenvolvido. Implementamos este sistema com sucesso na Copa das Confederações. Nosso esquema foi aclamado pela Fifa, seleções e espectadores. À medida em que a Copa está chegando, seguem as discussões com os mais variados setores para finalizarmos a estratégia de segurança. Cenários para todos os tipos de potenciais ataques foram levados em conta. Nosso conceito não muda nem com as ameaças do Estados Islâmico. A Rússia terá medidas abundantes de segurança. Tudo será organizado para não incomodar os fãs.

Os hooligans ameaçam?

Sorokin - Como você viu na Copa das Confederações, estamos confiantes de que a segurança estará no mais alto nível. Estamos satisfeitos com o sistema do Fan ID (identidade do fã). O compartilhamento de informações entre as autoridades russas e de outros países impedirão hooligans de entrar na Rússia. O serviço de segurança russo e a segurança particular nos estádios garantirão que a celebração vai ocorrer sem problemas.

Veja também

São Paulo tem decisão contra Fortaleza de Rogério Ceni
Futebol

São Paulo tem decisão contra Fortaleza de Rogério Ceni

Lewis Hamilton conquista pole position no GP de Portugal
Fórmula 1

Lewis Hamilton conquista pole position no GP de Portugal