Ídolos em baixa no Tricolor do Arruda

A quatro rodadas do final da tem­porada, e com um rebaixamento iminente, o sentimento em relação a Tiago Car­doso e Grafite, contudo, pode bem ser o de decepção

Armando Monteiro é senador pelo PTBArmando Monteiro é senador pelo PTB - Foto: Divulgação

 A sensação do torcedor coral, antes do início da Série A do Brasileiro, era a de que a equipe entraria forte, pelo menos, nas duas extremidades do campo, para a disputa da competição. Afinal, tanto no gol, quanto no ataque, as duas peças ali presentes nada mais eram do que ídolos recentes da história tricolor. A quatro rodadas do final da tem­porada, e com um rebaixamento iminente, o sentimento em relação a Tiago Car­doso e Grafite, contudo, pode bem ser o de decepção.

Enquanto o primeiro acumulou falhas que decretaram derrotas, o segundo não conseguiu se manter efetivo em frente às defesas adversárias, amargando, inclusive, sequências de partidas sem marcar. E pensar que nos primeiros quatro jogos da equipe no Nacional, o doce sabor da boa fase passeava pelos paladares corais, com estes dois alicerces sendo decisivos, inclusive. Em sequência, goleadas por 4x1 contra Vitória e Cruzeiro, no Arruda, além de dois empates fora de casa, diante de adversários difíceis - Fluminense (2x2) e Chapecoense (1x1). Grafite, por exemplo, chegou a fazer seis gols nos três primeiros jogos. Alcançou oito, em dez partidas.

Este início arrasador, no entanto, se deu por encerrado após o dia 25 de junho, na derrota por 2x1 para o Corinthians. Desta partida em diante, foram quase quatro meses de seca.

Neste momento, o atacante tem dez gols no campeonato. Diante de tais números, é fácil deduzir que a vida do jogador não foi nada fácil durante a disputa da Série A do Brasileirão. Em duas oportunidades, Grafite chegou a ser banco do concorrente Bruno Moraes. E, das 28 partidas nas quais participou, foi substituído 11 vezes.
A volta triunfal do atacante aconteceu na Copa Sul-Americana, quando foi o responsável por dois dos três gols marcados pelo Santa Cruz. A classificação não aconteceu pela falha individual do goleiro Edson Kölln. Na oportunidade, Tiago Cardoso estava no banco de reservas - cena, inclusive, bastante incomum na história do arqueiro vestindo a camisa coral. Devido a constantes falhas de Tiago Cardoso, evidenciadas principalmente após derrota por 5x3 para o Sport (quatro gols rubro-negros contaram com erros de saída do gol dele), Edson Kölln ganhou a titularidade. No banco de reservas, o ídolo ficou por quatro partidas seguidas - algo até então inédito em seus 11 anos de Arruda.

O substituto também não demonstrou boa desenvoltura quando foi acionado. Mas Tiago Cardoso reconquistou a posição entre os titulares apenas por uma contusão do concorrente. A má fase dos goleiros resultam, hoje, ao Santa Cruz, a condição de pior defesa do campeonato, com 59 gols sofridos. A segunda posição, no quesito, é do lanterna América/MG, com 51.

 

Veja também

Náutico confirma contratação do meia Marcos Vinícius
Futebol

Náutico confirma contratação do meia Marcos Vinícius

Defesa de Carol Solberg recorrerá de advertência por 'fora, Bolsonaro'
Manifestação

Defesa de Carol Solberg recorrerá de advertência por 'fora, Bolsonaro'