[Imagens] Em jogo emocionante, Cruzeiro conquista o hexa

Sada Cruzeiro se sagrou campeão, em casa, ao fim de cinco sets contra o Sesi/SP: 25/16, 17/25, 25/22, 23/25 e 22/20

Elenco do Sesi/SP, vice-campeão da temporada 2017/18Elenco do Sesi/SP, vice-campeão da temporada 2017/18 - Foto: Wander Roberto/Inovafoto/CBV

Jogando dentro de casa, no Mineirinho, em Belo Horizonte, o Cruzeiro confirmou a conquista do hexacampeonato da Superliga. A equipe mineira venceu o Sesi-SP por 3x2, neste domingo (6), com parciais de 25/16, 17/25, 25/22, 23/25 e 22/20. Destaque da partida foi o cubano naturalizado brasileiro, Leal, com 24 pontos.

O Cruzeiro já havia levado a melhor no primeiro jogo da final, no dia 28 de abril, em São Paulo. Se a raposa mineira fosse derrotada nesta manhã, iria acontecer um super tiebreak, para decidir o campeão da temporada 2017/18. Contudo, ainda no quinto set, o time mineiro conseguiu confirmar o título à frente de sua torcida.

Leia também:
Sada Cruzeiro vence Sesi na 1ª partida da final da Superliga

A partida marcou a despedida de Leal do Cruzeiro. Ele irá atuar na próxima temporada pelo Lube Citanova, da Itália. O ponta teve mais uma atuação consistente em quadra, fechando sua passagem no vôlei brasileiro com chave de ouro.

Com o hexa, o Cruzeiro só está atrás do Minas Tênis Clube, que tem 7 títulos, como maior vencedor da Superliga. Já para o Sesi-SP, ficou o gosto amargo de perder a segunda, de três finais disputadas, contra os mineiros.

Os melhores

Melhor saque - Simon (Sada Cruzeiro)
Melhor ataque - Leal (Sada Cruzeiro)
Melhor bloqueio - Maurício Souza (Sesc RJ)
Melhor levantamento - William (Sesi-SP)
Melhor defesa - Tiago Brendle (Sesc RJ)
Melhor recepção - Thales (EMS Taubaté Funvic)
Maior pontuador - Wallace (EMS Taubaté Funvic)

 

Veja também

Superliga é ápice da revolução dos bilionários estrangeiros no futebol europeu
Futebol

Superliga é ápice da revolução dos bilionários estrangeiros no futebol europeu

Clubes brasileiros dominam a Libertadores, mas crise pode ser uma ameaça à hegemonia
Futebol

Clubes brasileiros dominam a Libertadores, mas crise pode ser uma ameaça à hegemonia