Indefinições de calendário afetam estadual

Mudanças de datas têm sido uma constante recente no futebol pernambucano

Para Evandro Carvalho, alterações na tabela são inevitáveisPara Evandro Carvalho, alterações na tabela são inevitáveis - Foto: Flávio Japa/arquivo folha

Um dos maiores clássicos do Nordeste teve sua data alterada. Santa Cruz e Sport irão jogar no sábado. Atendendo pedido dos mandantes, a Federação Pernambucana de Futebol antecipou o confronto, por conta do movimento no Recife em virtude dos blocos e prévias de carnaval. O que gerou uma mudança completa na tabela. O jogo entre Belo Jardim e Náutico, marcado anteriormente para o sábado (18), foi adiado para a segunda-feira (20), às 20h30, no Arruda. Já Salgueiro x Central, que seria realizado na segunda (20), passou para o domingo (19). E a falta de datas e as inúmeras mudanças nos dias dos jogos, assim como nos anos anteriores, tem sido uma constante no futebol pernambucano em 2017.

Neste ano, por exemplo, logo na primeira rodada o jogo entre Sport e Central, realizado na Ilha do Retiro em janeiro, foi mudado do domingo (29) para o sábado (28), porque no mesmo fim de semana foi realizado o Clássico das Emoções entre Náutico e Santa Cruz, na Arena de Pernambuco.  

Com a temporada começando ainda em janeiro, além do calendário apertado com a Copa do Nordeste, a tabela publicada antes da bola rolar sofre muitas alterações. Os clubes, por sua vez, correm contra o tempo para aumentar o elenco, pois virou rotina jogos com poucos dias de diferença. No caso dos maiores, como os times da capital, a adaptação ao calendário que muda constantemente acaba sendo mais fácil. "Eu acho que dentro do formato, dentro deste cenário, a gente tem o que pode ter. Temos que jogar o jogo", diz Constantino Júnior, vice-presidente de futebol do Santa Cruz.

Além dos choques entre jogos de grandes no Recife, outro ponto que tem ajudado a mexer na tabela é o local das partidas. A indefinição das praças das partidas do Pernambucano, especialmente no Interior, acaba impactando no calendário. "Quando se tem um jogo com os três da capital, a gente quer os ingressos para fazer uma divulgação maior. Se ocorre uma mudança, a gente fica privado", disse Cacá Maciel, presidente do Belo Jardim. "Eu acho que atrapalha um pouco, principalmente o torcedor. Talvez por isso alguns públicos têm sido baixos", completa o mandatário.

O problema não é novo. Em 2015, por exemplo, a FPF-PE teve que antecipar o Clássico das Multidões, entre Santa Cruz e Sport, para o sábado, por conta do desfile das Virgens de Verdade, em Olinda, no domingo. Por isso, jogo entre Náutico e Salgueiro, realizado na Arena, foi para o domingo. Isso acabou impactando na tabela da Copa do Nordeste, porque Náutico e Salgueiro tiveram apenas dois dias de descanso, já que voltariam a jogar na terça-feira.

Segundo o presidente da FPF-PE, Evandro Carvalho, as constantes mudanças no Estadual são inevitáveis, devido à própria natureza de competições do Brasil. "Isso é resultado de uma imposição da legislação atual. O Regulamento Geral das Competições da CBF e Estatuto do Torcedor determina que as federações têm que lançar seus calendários dos estaduais 30 dias antes, porque é a primeira competição do ano", explica. "Aí, quando a CBF lança as primeiras competições, é preciso ir modificando os estaduais, para não gerar o conflito de datas", detalha.

Além disso, as peculiaridades do Carnaval de Pernambuco também prejudicam o Estadual. "Nenhum estado do Brasil, inclusive Rio de Janeiro e Bahia, realizam jogos durante o Carnaval. Além disso, aqui também não realizamos jogos na semana do Galo. E, do ano passado para cá, tivemos a dificuldade na semana das Virgens de Verdade. É uma redução de quatro datas, que nenhum outro estado tem. É quase impossível fazer competições sem mudar tanto", lamenta.

Veja também

Atletas russos foram os mais testados no antidoping para as Olimpíadas
Futebol

Atletas russos foram os mais testados no antidoping para as Olimpíadas

Proteger direitos será desafio para exibidores oficiais dos Jogos Olímpicos
Tóquio-2020

Proteger direitos será desafio para exibidores oficiais dos Jogos Olímpicos